17 de Janeiro de 2017 / às 13:23 / 9 meses atrás

Reino Unido deixará mercado comum da União Europeia, diz premiê May

LONDRES (Reuters) - O Reino Unido deixará o mercado comum da União Europeia quando sair da UE, disse a primeira-ministra britânica, Theresa May, nesta terça-feira, colocando um fim às especulações de que Londres poderia buscar um chamado “Brexit suave”.

Premiê britânica, Theresa May, discursa em Londres. 17/01/2017 REUTERS/Kirsty Wigglesworth

Em um aguardado discurso no qual buscou definir o futuro do país como um player global que busca negociar livremente fora da Europa, May disse que o acordo final de saída do Reino Unido da UE será enviado para votação no Parlamento. 

Essa promessa ajudou a recuperar a libra nos mercados de câmbio. A moeda britânica GBP=DA, que tem sido negociada nos menores níveis frente ao dólar em mais de três décadas, chegou à máxima do dia durante o discurso da premiê.

A primeira-ministro afirmou que irá buscar uma parceria igualitária com a UE, mas acrescentou que não adotaria modelos já utilizados por outros países que possuem acordos de livre comércio com o bloco. 

A declaração de May afirmando que o Reino Unido deixará o mercado comum foi de longe a mais clara indicação que ela já deu sobre seus planos para o futuro do país, após meses de críticas de que não estava sendo suficientemente transparente sobre a questão. 

“Quero ser clara: o que estou propondo não pode significar filiação ao mercado comum”, disse May a uma audiência de diplomatas estrangeiros e com a presença da própria equipe de negociação britânica do Brexit, em Londres.

“Em vez disso, buscamos o maior acesso possível a esse mercado com um novo, amplo, ousado e ambicioso acordo de livre comércio. Esse acordo pode trazer elementos do atual mercado comum em certas áreas”, acrescentou. 

O anúncio da primeira-ministra de que colocará em votação o acordo final sobre o Brexit em ambas as casas do Parlamento acontece antes de uma decisão judicial que dirá se o governo tem o poder de iniciar o processo de saída do bloco sem aprovação parlamentar.

May disse que planeja iniciar o processo de negociação de saída, com duração de dois anos, no fim de março. 

A votação dos britânicos em um referendo para deixar a UE abriu uma série de dúvidas em questões como imigração e direitos de muitos cidadãos da UE que já moram no Reino Unido, além de temas como se exportadores manterão acesso ao sistema de tarifa zero do mercado comum europeu e se bancos britânicos serão capazes de atender clientes na Europa continental. 

As negociações do Brexit, cuja expectativa é que sejam uma das mais complicadas na história europeia desde a Segunda Guerra Mundial, podem decidir o destino de May no poder, assim como de todo o Reino Unido e do formato futuro da União Europeia quando o Reino Unido sair. 

O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que o Brexit vai ser “uma grande coisa” e que outros países seguiriam os passos dos britânicos. Ele prometeu estabelecer um acordo comercial bilateral com o Reino Unido.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below