9 de Fevereiro de 2017 / às 13:54 / em 10 meses

Após Odebrecht, novas delações na Lava Jato devem ser raras e "preço" deve subir, diz procurador

SÃO PAULO (Reuters) - Novos acordos de delação premiada no âmbito da operação Lava Jato devem ser raros após a colaboração firmada com mais de 70 executivos da Odebrecht, e o “preço” a ser pago pelos eventuais novos colaboradores deverá ser maior, disse nesta quinta-feira o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, membro da força-tarefa da operação.

Procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, membro da força-tarefa da operação Lava Jato. 23/06/2015 REUTERS/Rodolfo Buhrer

Lima também fez críticas ao que afirmou serem tentativas do Congresso Nacional de aprovar leis que protejam a classe política das investigações e afirmou que as 10 medidas de combate à corrupção, defendidas pelo Ministério Público Federal (MPF) não são mais suficientes para combater o que ele chamou de “sistema político corrompido”.

“Cada vez mais, até pela natureza dos acordos, eles vão se tornar mais raros. Agora, não posso dizer que não haja possibilidade de um acordo ou outro, dependendo daquilo que for revelado”, disse o procurador da República a jornalistas após palestra sobre compliance a empresários na Câmara Americana de Comércio, em São Paulo.

O procurador explicou que, à medida que as investigações avançaram, os investigadores coletaram mais informações e sabem mais sobre o bilionário esquema de corrupção na Petrobras, o que faz com que um eventual novo informante tenha de trazer novidades e, ainda assim, acabe recebendo menos contrapartidas pela sua delação do que os primeiros colaboradores da investigação.

“Cada vez mais a Lava Jato vai se tornar nacional”, disse. “Os fatos revelados pela empresa (Odebrecht) aconteceram em dezenas de Estados envolvendo dezenas, centenas de políticos”, acrescentou Lima, que também avaliou que “talvez” seja melhor retirar o sigilo das delações da Odebrecht para, segundo ele, afastar os rumores de que vazamentos de informações nesses acordos têm origem no Ministério Público.

REFORMA POLÍTICA

Durante a palestra, o procurador centrou fogo em propostas legislativas que tramitam no Congresso Nacional, como a que está na Câmara dos Deputados e trata do poder de investigação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sobre as contas dos partidos e a desfiguração pelos deputados no ano passado do pacote de medidas de combate à corrupção patrocinado pelo MPF.

“Não basta mais as dez medidas... Elas introduzem essa ameaça de que a pessoa vai ser pega e vai ser punida, mas ainda assim ela é insuficiente. Nós temos um sistema político corrompido, que se financia pela corrupção. Precisamos mudar a forma que é financiado o sistema político”, disse Lima.

O procurador defendeu a necessidade de se fazer uma reforma política no país, embora não tenha detalhado qual modelo seria o ideal, limitando-se a criticar o alto número de partidos políticos e o sistema proporcional de listas abertas nas disputas legislativas.

“Temos que achar uma solução democrática para o nosso sistema político. Temos que achar uma solução limpa para o financiamento de campanha”, defendeu.

Reportagem de Eduardo Simões

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below