20 de Fevereiro de 2017 / às 18:43 / em 10 meses

Alerj aprova texto-base da privatização da Cedae; destaques serão apreciados na 3ª

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O texto-base do projeto de privatização da Cedae, companhia de abastecimento e saneamento do Estado do Rio de Janeiro, foi aprovado nesta segunda-feira pela Assembleia Legislativa do Estado por 41 votos a favor e 28 contrários.

Manifestantes protestam contra plano de austeridade do Rio de Janeiro, 09/02/2017. REUTERS/Ricardo Moraes

As mais de 200 emendas apresentadas pelos deputados foram agrupadas em 16 destaques que serão discutidos e apreciados em nova sessão na terça-feira.

“A base está muito unida para votar contra os destaques. Essa aprovação de hoje é o início do resgate que o Rio de Janeiro precisa. Começamos a frear a crise”, disse o líder da bancada do governo, Edson Albertassi (PMDB).

A venda da Cedae é uma das principais garantias que o governo estadual assumiu quando fechou, com o governo federal, termo de compromisso para sanar déficit fiscal de 62,4 bilhões de reais previsto até 2019, mas com medidas que dependem do sinal verde de parlamentares.

Apenas para 2017, o déficit estimado para o Rio de Janeiro é de 26 bilhões de reais. Para cobri-lo, o plano inclui garantia da União para empréstimos de 6 bilhões de reais, tendo como contragarantia a privatização da Cedae, estimada em 3 bilhões de reais, e fluxos futuros de royalties de igual montante.

Assim que o projeto de privatização for publicado no Diário Oficial do Rio de Janeiro, há prazo de 6 meses para definir a modelagem de venda da Cedae.

Deputados da base governista afirmaram ainda que o aumento da contribuição previdenciária, outro item do acordo de ajuste fiscal com o governo federal, só será votado após o Estado receber os 3,5 bilhões de reais dos bancos públicos.

“Estamos dando a garantia que é Cedae e agora esperamos os recursos”, disse o presidente da Alerj, Jorge Picciani (PMDB).

Inconformados com o processo, funcionários da Cedae entraram em greve nesta segunda-feira, ameaçando afetar o fornecimento de água nos mais de 60 municípios atendidas pela empresa em todo o Estado nesta época de Carnaval.

Os protestos que vinham acontecendo desde o início da discussão do pacote de austeridade na porta da Alerj desta vez ocorreram em frente à sede da Cedae. A manifestação foi reprimida por policiais e guardas municipais, que usaram bombas de gás e efeito moral. Ao menos 18 pessoas foram detidas no protesto.

O ato provocou o fechamento da avenida Presidente Vargas, uma das mais importantes do Rio de Janeiro, e prejudicou parcialmente o funcionamento do metrô e do VLT (veículo leve sobre trilhos). Uma nova manifestação está marcada para terça-feira nos arredores da Alerj.

Por Rodrigo Viga Gaier

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below