28 de Março de 2017 / às 14:28 / 9 meses atrás

Lava Jato prende ex-gerente que substituiu Barusco na Petrobras e faz buscas em corretora

CURITIBA (Reuters) - A Polícia Federal prendeu nesta terça-feira o ex-gerente da área de Engenharia e Serviços da Petrobras Roberto Gonçalves em uma nova etapa da operação Lava Jato, por suspeita de recebimento de pelo menos 5 milhões de dólares de propina em contratos da estatal em contas no exterior.

Funcionário pinta tanque de combutível da Petrobras 30/09/2015 REUTERS/Ueslei Marcelino/File Photo

De acordo com a força-tarefa da Lava Jato, Gonçalves substituiu Pedro Barusco na gerência de Engenharia e Serviços da Petrobras em 2011 e passou a receber as propinas no lugar do antecessor, que é um dos delatores da operação.

“Depois de diversas medidas investigativas... e sobretudo a partir de provas transferidas por meio de colaboração internacional às autoridades brasileiras por autoridades suíças, foi possível fazer o pedido e foi possível o Juízo da 13ª Vara Federal decretar a medida de prisão preventiva do ex-gerente-executivo da Petrobras Roberto Gonçalves”, disse o procurador da República Júlio Noronha em entrevista coletiva em Curitiba.

Em apenas uma das cinco contas usadas por Gonçalves na Suíça para receber valores ilegais, foram identificados depósitos de 3 milhões de dólares que teriam sido pagos pelo departamento de propina da Odebrecht, segundo os investigadores. No total ele teria recebido mais de 5 milhões de dólares em propina.

Entre os contratos suspeitos de irregularidades está a contratação de um consórcio formado pela Odebrecht e a UTC Engenharia, ao lado de outras empresas, para obras no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj).

Além da prisão do ex-gerente da estatal, que foi detido em Roraima, a 39ª fase da Lava Jato também cumpriu mandados de busca e apreensão na corretora Advalor, no Rio de Janeiro, suspeita de auxiliar na lavagem de dinheiro e também no pagamento de propinas.

A Reuters tentou, sem sucesso, fazer contato com a corretora.

A etapa da Lava Jato deflagrada nesta terça-feira recebeu o nome operação Paralelo, utilizado “em alusão à atuação clandestina à margem dos órgãos de controles oficiais do mercado financeiro por parte dos investigados”, de acordo com a PF.

Foram cumpridos no total seis mandados judiciais, sendo cinco de busca e apreensão.

Reportagem de Sergio Spagnuolo em Curitiba; reportagem adicional de Pedro Fonseca, no Rio de Janeiro, e Flavia Bohone, em São Paulo

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below