3 de Abril de 2017 / às 14:57 / em 8 meses

Enfraquecida, esquerda da América do Sul ganha fôlego com vitória no Equador

QUITO (Reuters) - O candidato de esquerda Lenín Moreno comemorou sua vitória na eleição presidencial do Equador nesta segunda-feira, contrariando a atual inclinação da América do Sul à direita, mas seu adversário conservador exigiu uma recontagem de votos enquanto alguns de seus partidários foram às ruas para protestar.

O triunfo de Moreno foi um alívio para o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, já que o ex-banqueiro Guillermo Lasso tinha prometido retirá-lo da embaixada equatoriana em Londres se vencesse o segundo turno.

    O resultado também foi um impulso para os fragilizados movimentos de esquerda na América do Sul, já que recentemente governos de perfil mais à direita assumiram na Argentina, no Brasil e no Peru em um cenário de retração nas commodities, economias em crise e escândalos de corrupção crescentes.

    Nicolás Maduro, presidente da combalida Venezuela e líder socialista de destaque na região, parabenizou Moreno com entusiasmo no Twitter, assim como o presidente boliviano, Evo Morales.

    “Parabéns, Equador, a revolução cidadã triunfou!”, escreveu Maduro, assim como boa parte de seu gabinete. “O socialismo do século 21 sempre triunfa”, tuitou Morales. “Parabéns irmão @Lenin!”.

    Lasso prometeu denunciar Maduro, que rivais dizem ter transformado seu país em uma ditadura.

O ex-vice presidente paraplégico Moreno obteve 51,15 por cento dos votos, e Lasso 48,85 por cento, com quase 99 por cento das urnas apuradas, informou o Conselho Nacional Eleitoral na manhã desta segunda-feira.

    Lasso, que havia proclamado sua vitória baseado em uma pesquisa de boca de urna, questionou os resultados, que vão prolongar o comando de uma década da esquerda na nação rica em petróleo.

    “Eles ultrapassaram um limite”, disse ele a seus apoiadores em um hotel de Guayaquil, sua cidade-natal, no domingo, prometendo contestar o desfecho da eleição, um processo complexo que pode levar tempo.

    “Iremos defender a vontade do povo equatoriano diante desta tentativa de fraude”.   

    O candidato opositor tuitou fotos mostrando o que disse ser votos originais em sua chapa que foram alterados por autoridades eleitorais, que negaram as alegações de fraude.

    Lasso contrastou a apuração rápida de domingo com o primeiro turno de fevereiro, quando o resultado final demorou dias.

    Centenas de seus apoiadores se reuniram diante do escritório do Conselho Nacional Eleitoral na capital, Quito, e em Guayaquil, empunhando bandeiras do Equador e entoando “Não à fraude!” e “Não queremos ser a Venezuela!”.

    Houve relatos de confrontos isolados, mas os protestos diminuíram à medida que a noite chegou e as pessoas voltaram para casa.

Reportagem adicional de Yury Garcia, Daniel Tapia e Henry Romero em Guayaquil e Jose Llangari e Mariana Bazo em Quito

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below