7 de Abril de 2017 / às 19:50 / em 8 meses

Aliados dos Estados Unidos demonstram apoio a ataque na Síria

(Reuters) - Aliados dos Estados Unidos demonstraram nesta sexta-feira seu apoio ao ataque norte-americano com mísseis na Síria, classificando-os como uma reação proporcional ao suposto uso de armas químicas por parte do governo sírio.

Presidente dos EUA, Donald Trump, fas pronunciamento sobre ataque a base síria 06/04/2017 REUTERS/Carlos Barria

Os ataques foram considerados ilegais por Damasco e por seus aliados Rússia e Irã. O presidente iraniano, Hassan Rouhani, pediu ao mundo para “rejeitar tais políticas, que trazem somente destruição e perigo para a região e o Globo”.

O Iraque criticou as “intervenções apressadas”, um aparente comentário sobre a ação norte-americana.

    Mas uma vasta gama de aliados dos EUA da Ásia, Europa e Oriente Médio expressaram seu consentimento, ainda que cauteloso, em termos semelhantes.

    “O governo do Reino Unido apoia plenamente a ação dos EUA, que acreditamos ter sido uma resposta proporcional ao ataque bárbaro com armas químicas lançado pelo regime sírio e que pretende inibir novos ataques”, disse um porta-voz do governo britânico.

    O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, disse aos repórteres: “Muitas pessoas inocentes se tornaram vítimas dos ataques químicos. O Japão apoia a determinação do governo dos EUA para evitar a disseminação e o uso de armas químicas”.

    A Turquia viu a intervenção militar positivamente, e a comunidade internacional deveria manter sua postura contra a “barbaridade” do governo da Síria, disse o vice-primeiro-ministro turco, Numan Kurtulmus.

    O ministro das Relações Exteriores da França, Jean-Marc Ayrault, ponderou que Rússia e Irã precisam entender que apoiar o presidente da Síria, Bashar al-Assad, não faz sentido e que a escalada do papel militar norte-americano na Síria é um “alerta” para um “regime criminoso”.

    O presidente francês, François Hollande, e a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, emitiram comunicados afirmando que Assad é o único responsável pelos ataques aéreos.

    O governo da Holanda disse: “Os EUA deram um sinal claro de que o uso de gás venenoso ultrapassa um limite”, e classificou os bombardeios como uma reação “proporcional”.

    O premiê da Austrália, Malcolm Turnbull, opinou que os ataques enviaram “uma mensagem de importância vital” de que o mundo não irá tolerar o uso de armas químicas.

    A Arábia Saudita e o Catar, que apoiam os rebeldes contra Assad, disseram que endossam os disparos dos EUA e que responsabilizam unicamente o governo sírio por eles.

    Outros países do Golfo Pérsico, como Emirados Árabes Unidos, Barein e Kuweit, também expressaram assentimento ao uso dos mísseis.

    Mas algumas nações manifestaram reservas com a decisão norte-americana de lançar ataques sem autorização do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU).

    A Indonésia, que tem a maior população muçulmana do mundo, criticou o emprego de armamento químico na Síria.

“Ao mesmo tempo, a Indonésia está preocupada com ações unilaterais de quaisquer partes, incluindo o uso de mísseis Tomahawk, em resposta à tragédia do ataque com armas químicas na Síria”, disse o porta-voz da chancelaria, Armanatha Nasir, em uma mensagem de texto.

    (Reportagem adicional de Kanupriya Kapoor, em Jacarta; Parisa Hafezi, em Ancara; Guy Faulconbridge, em Londres; Andrew Osborn e Jack Stubbs, em Moscou; Colin Packham, em Sydney; Tulay Karadeniz, em Istambul)

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below