4 de Maio de 2017 / às 21:27 / em 6 meses

Macron consolida favoritismo à Presidência da França após debate agressivo na TV

PARIS/LONDRES (Reuters) - O candidato independente e de centro Emmanuel Macron aparentemente consolidou seu favoritismo na corrida presidencial da França nesta quinta-feira, enquanto a poeira do rancoroso debate televisionado com a rival de extrema-direita Marine Le Pen baixava.

Emmanuel Macron, chefe do movimento político En Marche ! e candidato presidencial participa de um comício de campanha em Albi, França 4/05/ 2017. REUTERS/Benoit Tessier

Três dias antes do segundo e decisivo turno da eleição francesa mais importante em décadas, o prêmio demandado por investidores para manter títulos franceses no lugar de alemães recuou para o menor nível em seis meses, refletindo a percepção de que Le Pen, cuja eventual Presidência os mercados veem como um pesadelo, perdeu sua última chance de desbancar Macron.

Em jogo estão duas visões diametralmente opostas da Europa e do lugar da França no mundo. Le Pen fecharia as fronteiras e descartaria o euro, enquanto Macron quer uma cooperação maior com o continente e uma economia mais aberta.

De acordo com uma pesquisa relâmpago do instituto Elabe para a BFMTV, 63 por cento dos telespectadores consideraram Macron o mais convincente dos dois candidatos no debate da noite de quarta-feira, reforçando seu status de favorito para ocupar o Palácio do Elysée.

Uma segunda sondagem da Harris Interactive revelou que 42 por cento das pessoas achou o político de 39 anos mais cativante no debate, durante o qual os oponentes trocaram farpas sobre a economia, o euro e o combate ao terrorismo.

Vinte e seis por cento considerou Le Pen, de 48 anos, mais persuasiva, enquanto 31 por cento não escolheu nenhum candidato, disse a Harris.

Já nesta quinta-feira, uma pesquisa de intenção de voto da Ifop-Fiducial mostrou Macron ampliando sua liderança sobre Le Pen – era de 60 a 40 por cento no dia anterior e passou para 61 a 39 por cento.

A primeira enquete sobre a eleição parlamentar de junho, publicada na quarta-feira, apontou o movimento criado por Macron há um ano, o En Marche! (Avante!), também encaminhado para emergir como o maior partido do Parlamento, levando a crer que ele conseguiria implementar seu programa.

Enquanto isso, a procuradoria da França iniciou uma investigação sobre as queixas da campanha de Macron a respeito de notícias falsas que estariam sendo disseminadas para influenciar a votação.

Macron negou anteriormente as alegações de que ele usou um paraíso fiscal estrangeiro, como divulgado nas mídias sociais e referido por Le Pen durante o debate. Ele a acusou de espalhar mentiras.

Separadamente, a campanha de Le Pen emitiu um comunicado dizendo que seu site vem sendo atacado frequentemente por hackers ao longo da corrida eleitoral e que fez uma queixa à polícia.

O ex-presidente norte-americano Barack Obama endossou Macron em uma mensagem de vídeo divulgada pelo En Marche! nesta quinta-feira, elogiando-o por apelar “às esperanças das pessoas, e não aos seus medos”.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below