12 de Maio de 2017 / às 16:55 / 7 meses atrás

Temer vê resultados concretos em 1º ano de governo e retomada do crescimento

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Michel Temer afirmou nesta sexta-feira, em evento de comemoração de um ano de gestão à frente do Palácio do Planalto, que o país já tem resultados concretos na “travessia” que lidera e que, agora, já há uma retomada do crescimento crescimento econômico.

Presidente Michel Temer, vice-presidente do Senado, Cássio Cunha Lima (à esquerda), e presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, durante reunião para celebrar um ano de governo 12/05/2017 REUTERS/Ueslei Marcelino

“Completamos hoje nosso primeiro ano de governo, com a certeza de que estamos no caminho certo”, disse Temer, em discurso durante reunião ministerial com a presença de 25 dos 28 ministros, parlamentares e dirigentes de bancos, estatais e empresas de economia mista. Os ministros que não estavam presentes foram representados por secretários-executivos.

O presidente assumiu interinamente o comando do país no dia 12 de maio, após o Senado ter determinado o afastamento da então presidente Dilma Rousseff. A petista foi condenada pelo Senado

no dia 31 de agosto, quando Temer foi efetivado no comando do país.

Para Temer, se está chegando ao final de uma “longa recessão” e começa a preparação de uma nova fase de desenvolvimento, com ótimos motivos para se manter a confiança.

“Tenho a felicidade de liderar a travessia e eu farei, é o meu dever“, disse. ”Este ano vivido, estamos comemorando um ano, comemorando não, registrando um ano, foi intenso e o saldo, como puderam verificar, o saldo é positivo.”

Em pronunciamento de 23 minutos, o presidente listou uma série de feitos, como os saques das contas inativas do FGTS, a queda da inflação e o reajuste acima da inflação do programa Bolsa Família.

Ele também elogiou a parceria que manteve no período com o Congresso que permitiu a aprovação do teto dos gastos públicos. “Hoje, o Legislativo não é um apêndice, e sim parte integrante do governo.”

Temer voltou a defender as reformas trabalhista e da Previdência e prometeu realizar uma modernização tributária.

“A tarefa mais importante nos próximos dias é salvar a Previdência”, disse. “Já avançamos, à base de muito diálogo e bom senso”, acrescentou, garantindo não ter dúvidas que a matéria será aprovada pelos parlamentares, a quem fez questão de elogiar.

Em um dos dois momentos em que foi aplaudido, Temer citou o caso de uma aposentada fluminense que há três meses não recebia o benefício. “Não deixaremos o Brasil chegar a esse ponto.”

EMPREGO

O presidente disse que o desemprego foi a “pior herança” que recebeu, mas prometeu que em breve ele vai começar a ceder. Atualmente, segundo último dado do IBGE, há 14,2 milhões de desempregados no país, um recorde.

Primeiro a falar após uma breve abertura de Temer, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, fez um rápido balanço das iniciativas do governo adotadas até agora e ainda destacou matérias que deverão ser votadas no segundo ano de governo, como o marco da mineração e as novas leis de licenciamento ambiental e de saneamento. Segundo ele, iniciativas como essa vão ajudar no retorno do emprego.

“Com essas medidas vamos estar dando passos importantes no rumo da política que o senhor determinou, de fazer com que o Brasil se torne um país próspero e um país que pudesse ter geração de empregos, que pudesse debilitar ou até excluir o número de desempregados que temos hoje, 14 milhões de brasileiros”, disse, em discurso.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, também afirmou que o desemprego ainda deve crescer no país, já que tem uma reação mais lenta à retomada da economia, mas repetiu que “inevitavelmente” começará a cair a partir do segundo semestre.

Meirelles afirmou que o país já voltou a crescer, mas ainda sofre efeitos da contração econômica.

“Estamos ainda vivendo os efeitos da recessão. O desemprego está elevadíssimo, deve crescer ainda um pouco porque tem uma reação um pouco mais lenta à retomada da economia, mas inevitavelmente começa a cair o desemprego a partir do segundo semestre.”

O ministro da Fazenda defendeu que a aprovação da emenda à Constituição que impôs um teto ao limite de gastos públicos foi fundamental para dar previsibilidade à economia brasileira, permitindo um resgate da confiança nos fundamentos do país.

“Agências de classificação de risco já começam a considerar hipótese de melhorar a nota do país, o que é importante”, afirmou.

O primeiro vice-presidente do Senado, Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), disse que o governo não apelou no período para o “populismo” e atuou com “muita ousadia, coragem e sobretudo responsabilidade com o futuro do Brasil” sem buscar soluções fáceis do ponto de vista fiscal.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), também destacou que o governo e o Congresso decidiram, conjuntamente, fazer as reformas de forma a sair da política econômica fácil de equilibrar o caixa do governo por meio do aumento de impostos.

“Hoje a sociedade aprova as nossas reformas e vai com certeza aprovar a reforma da Previdência”, disse Maia, que reafirmou o compromisso com a agenda, que destacou não ser do governo, mas de compromisso com o Brasil.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below