12 de Maio de 2017 / às 19:05 / em 5 meses

Desemprego frustra 1º tri e estabilização da economia vem só no 2º semestre, dizem analistas

SÃO PAULO (Reuters) - A expectativa de que a economia teria sinais mais consistentes de melhora no primeiro trimestre deste ano, depois de dois anos seguidos de forte recessão, foi frustrada, levando boa parte dos analistas a piorar seus cenários e enxergando que a estabilização deve vir de fato apenas no segundo semestre.

Pessoas em fila de agência de empregos em Brasília, no Brasil 08/03/2016 REUTERS/Ueslei Marcelino

O principal entrave para recuperação é o crescente desemprego, que prejudica diretamente dois setores cruciais para o desempenho da economia: comércio e serviços. No trimestre passado, eram 14,2 milhões de pessoas sem emprego, número recorde no país, e a expectativa do próprio governo é que o fechamento de postos continue aumentando.

“Houve expectativa de estabilização na atividade neste primeiro semestre que não está acontecendo”, afirmou o economista do banco Bradesco Igor Velecico, acrescentando que a falta de emprego e confiança trava o consumo.

Diante disso, o Bradesco passou a prever queda de 0,2 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre sobre os três meses anteriores, ante estimativa de estabilidade. Para o primeiro trimestre, na margem, manteve suas contas de expansão de 0,7 por cento, mas por conta da esperada supersafra, que impulsionou fortemente o agronegócio.

Nos últimos dias, indicadores deixaram claro o difícil quadro da economia brasileira. Só nesta semana foi divulgado que o setor de serviços recuou 2,3 por cento em março, maior queda mensal desde o início da série histórica em 2012, enquanto o varejo caiu 1,9 por cento, pior resultado mensal em 14 anos.

Já a produção industrial registrou o pior resultado para março da história, ao despencar 1,8 por cento. Em todos os casos, os números de fechamento do trimestre vieram piores que o esperado.

“Há um viés de baixa nas projeção para o segundo trimestre. O varejo pode até ter resultado melhor por causa da Páscoa que tem um efeito calendário, no ano passado, ela foi em março. E o setor de serviços ainda deve vir com um desempenho que não deve ser muito bom”, afirma o economista da consultoria GO Associados Luiz Fernando Castelli, acrescentando que deve piorar sua previsão inicial de crescimento de 0,5 por cento do PIB no segundo trimestre, para estabilidade.

O banco Itaú Unibanco também se mostra mais cético, ainda estimando alta de 0,2 por cento no período, mas já vendo risco para esse número.

Embora o quadro permaneça difícil, os economistas são unânimes ao afirmar que o Brasil, pelo menos tecnicamente, saiu da recessão no primeiro trimestre pela supersafra e pelo forte aumento da exportação de veículos, com alta entre 50 e 60 por cento. Ou seja, por fatores mais pontuais do que estruturais.

“A nossa expectativa é que o PIB tenha crescido 0,7 por cento no primeiro trimestre, mas temos diversos fatores exôgenos que estão influenciado o resultado. Sem eles, a economia teria recuado 0,4 por cento”, disse Velecico, do Bradesco.

Também vai ajudar na apresentação de números melhores a mudança de base de cálculo feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para os dados dos setores de serviços e varejo, que impulsionaram os números passados.

SEGUNDO SEMESTRE

Os economistas acreditam que a economia deve ganhar fôlego apenas a partir do segundo semestre quando a queda da taxa básica de juros deve ter efeito mais concreto na economia e o mercado de trabalho deve dar sinais de melhora.

Nos próximos meses, também há a expectativa de que o governo já tenha aprovado a reforma da Previdência, considerada fundamental para colocar as contas públicas em ordem, o que vai ajudar na melhora da confiança dos agentes econômicos.

“Há alguma expectativa de que a retomada deve acontecer no segundo semestre, mas é preciso algum sinal neste segundo trimestre ou a economia pode ficar estagnada por mais tempo”, disse o economista do banco Itaú Artur Passos.

Pesquisa Focus do Banco Central, que ouve uma centena de economistas todas as semanas, mostra que as projeções para o crescimento do PIB neste ano é de 0,47 por cento, subindo a 2,50 por cento em 2018.

O IBGE divulga o resultado do PIB do primeiro trimestre no próximo dia 1º de junho.

Edição de Patrícia Duarte

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below