30 de Maio de 2017 / às 23:48 / 5 meses atrás

Temer deve manter perfil técnico da Transparência, mas pode ceder Cultura ao PMDB

BRASÍLIA (Reuters) - Depois da negativa do deputado Osmar Serraglio em aceitar o comando do Ministério da Transparência, o presidente Michel Temer decidiu manter o perfil mais técnico do cargo, mas deve ceder o Ministério da Cultura para a bancada do PMDB na Câmara para acalmar os deputados e manter sólido o apoio do partido na Casa, disseram à Reuters fontes governistas.

Presidente Michel Temer 30/05/2017 REUTERS/Paulo Whitaker

A necessidade de garantir foro privilegiado para o ex-assessor especial de Temer Rodrigo Rocha Loures, que ocupava a vaga de deputado federal no lugar de Serraglio, diminuiu com a decisão do relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, ministro Edson Fachin, de manter o inquérito de Loures atrelado à investigação do presidente.

“Com isso a urgência de dar foro a Loures diminuiu”, confirmou uma fonte palaciana. Por outro lado, apesar de seu processo ainda ser mantido no STF, sem o mandato de deputado Loures pode ter sua prisão decretada a qualquer momento.

O governo chegou a cogitar nomear um dos deputados do PMDB do Paraná para o Ministério da Transparência, mas dois dos parlamentares --João Arruda e Hermes Parcianello-- são ligados ao senador Roberto Requião que, apesar de peemedebista, faz oposição a Temer. O terceiro, Sérgio Souza, não teria interesse, além de ter sido citado na operação Carne Fraca.

O caminho agora, segundo duas fontes ouvidas pela Reuters, é manter o Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União nas mãos de uma indicação mais técnica --o que não significa que não possa ser alguém ligado ao PMDB, mas não deve, ao menos por enquanto, ser um deputado.

“De qualquer forma, a solução passa pelo PMDB da Câmara”, disse uma das fontes

Depois das primeiras conversas com o presidente, o PMDB da Câmara deu indicações de que poderá aceitar o Ministério da Cultura, mesmo não tendo um nome com perfil clássico exigido para o ministério: um interesse mínimo na área e trânsito no setor. Seria uma maneira de recuperar o espaço perdido com a saída de Serraglio do Ministério da Justiça.

Chamado ao Palácio do Planalto para conversar com Temer e com o ministro da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy, o líder do PMDB na Câmara, Baleia Rossi (SP) foi encarregado pelo presidente de negociar nomes com a bancada e levar ideias a Temer esta semana.

MÁGOA

A nomeação de um deputado para um dos dois ministérios também serviria para acalmar a bancada, irritada com o tratamento dado a Serraglio, diz uma das fontes. Até a tarde desta quarta-feira, Temer não havia falado com o deputado, seu ex-ministro. Nem para demiti-lo, nem para convidá-lo a se mudar para a Transparência.

Serraglio foi sondado para o cargo por Baleia Rossi, não por Temer, e havia ficado de dar uma resposta nesta terça, pessoalmente, a Temer. Mas o deputado divulgou sua recusa em uma nota, no final da manhã, sem falar com o Planalto.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below