27 de Junho de 2017 / às 21:15 / 4 meses atrás

Ministro do Planejamento reitera crença em andamento de reformas e não descarta elevação de Cide

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, disse nesta terça-feira não concordar com visão de que o Congresso Nacional tratará exclusivamente de denúncia contra o presidente Michel Temer daqui para frente e defendeu que o governo continua engajado na aprovação das reformas.

Após participação em audiência pública na Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional, ele também não descartou a elevação da Cide sobre combustíveis como uma das alternativas para aumentar as receitas do governo, mas pontuou que medidas serão anunciadas a seu tempo.

“Nós vamos fazer as medidas adequadas e necessárias no seu momento. Antecipar medida não contribui em nada para o cenário”, afirmou ele a jornalistas, depois de ser questionado se era a favor da investida.

Durante sua fala na audiência, o ministro afirmou ser evidente que o cenário para recuperação do Brasil piora consideravelmente sem a aprovação das reformas e que o caminho para a retomada passa pela redução de despesa, sendo a previdenciária a principal delas.

Perguntado se a perspectiva para as reformas econômicas não piorava após o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ter feito denúncia contra Temer, Oliveira afirmou que o Congresso não irá ficar tratando exclusivamente deste assunto.

“Nós vamos insistir na aprovação das reformas, em particular a reforma trabalhista e a reforma da Previdência, que são pautas que já foram apresentadas pelo governo e estão no Congresso Nacional. Então essa decisão não vai ser alterada. A nossa pauta continua sendo a aprovação das reformas”, afirmou.

“Eu não compactuo desse diagnóstico de que o Congresso vai ficar paralisado”, disse.

Em relação às perspectivas do governo para a Produto Interno Bruto (PIB), que atualmente são de um avanço de 0,5 por cento para este ano e de 2,5 por cento para o ano que vem, o ministro afirmou que as revisões também serão feitas no seu devido tempo.

“Será feita a revisão. Não estou dizendo que será feita uma redução”, afirmou Oliveira.

O ministro destacou que os parâmetros econômicos para este ano serão revistos em julho, por ocasião do próximo relatório bimestral de receitas e despesas. Já os do ano que vem serão revisados na Proposta de Lei Orçamentária Anual de 2018, que deverá ser enviada ao Congresso Nacional até o fim de agosto.

Por Marcela Ayres

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below