2 de Julho de 2017 / às 19:37 / em 5 meses

França e países da África Ocidental lançam operação militar no Sahel

BAMAKO (Reuters) - Potências africanas lançaram uma nova ofensiva militar multinacional no Sahel neste domingo, com presidente da França, Emmanuel Macron, dizendo em uma cúpula regional que a ofensiva deve entrar em ação no próximo outono, em movimento que, segundo analistas, prepara terreno para a saída das tropas francesas do conflito.

Grupos militantes islâmicos, alguns com ligação com a Al Qaeda, assumiram o controle do norte do deserto do Mali em 2012. E embora a expansão deles tenha sido detida um ano depois por uma ofensiva militar liderada pela França, os extremistas seguem atacando as forças de paz da ONU, soldados malineses e alvos civis em uma onda de violência que já se espalha para além das fronteiras do Mali.

Macron disse que a França e os países africanos devem trabalhar juntos para “erradicar terroristas, bandidos e assassinos” no Sahel.

Durante o encontro de lideranças neste domingo, líderes do bloco do Sahel G5 - Mali, Mauritânia, Burkina Faso, Níger e Chade - formalmente estabeleceram a nova força militar, que operará em coordenação com tropas francesas e a MINUSMA, a missão de paz da ONU no Mali.

Desde que assumiu a presidência em maio, Macron tem destacado o peso que Paris teria na ofensiva, inclusive através de uma resolução na ONU que oferece suporte para a ação militar.

“Todos os dias devemos combater terroristas, bandidos e assassinos cujos nomes e caras devemos esquecer, mas que devemos com firmeza e determinação erradicar juntos”, disse Macron no encontro na capital do Mali, Bamako.

Ele disse que a ofensiva, que deverá consistir em cerca de 5.000 soldados, precisa entrar em operação até este outono.

Os países do bloco do Sahel G5 começaram a trabalhar sobre a idéia de uma força regional já em 2015, mas o plano ganhou impulso nos últimos meses com o apoio de Macron.

“Há urgência porque aqueles que estamos enfrentando não esperam”, disse o presidente do Mali, Ibrahim Boubacar Keita. “Também é claro que a França, sozinha, não deve seguir com o ônus dessa luta contra o terrorismo.”

Com a sua sede militar na cidade de Sevare, no norte do Mali, a força do Sahel G5 se concentrará em três zonas fronteiriças - uma entre a fronteira entre o Níger e o Mali, outra entre o Mali e a Mauritânia e uma terceira fronteira entre Burkina Faso, Níger e Mali.

Por Tiemoko Diallo

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below