12 de Julho de 2017 / às 01:46 / 3 meses atrás

CORREÇÃO-Em vitória de Temer, Senado aprova reforma trabalhista sem mudar texto que veio da Câmara

(Corrige no penúltimo parágrafo placar para 50 votos a favor e 26 contra, em vez de 56 a favor e 20 contra)

Senadoras Gleisi Hoffmann e Vanessa Grazziotin conversam com presidente do Senado, Eunício Oliveira, em Brasília 11/07/2017 REUTERS/Adriano Machado

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - O Senado aprovou a reforma trabalhista, uma das principais matérias da agenda do presidente Michel Temer no Congresso, após um protesto inédito em que senadoras oposicionistas impediram por quase sete horas a votação da proposta em plenário ao ocuparem a Mesa Diretora da Casa.

A matéria, que segue para sanção presidencial, modifica mais de 100 pontos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Ela prevê, por exemplo, que acordos entre empregados e patrões se sobrepõem à legislação vigente, busca diminuir a intervenção da Justiça trabalhista nas negociações entre as partes, permite o trabalho intermitente e o fatiamento das férias em três períodos.

A votação da proposta sem modificações é uma vitória de Temer, no momento em que o governo atua para barrar a autorização para que o Supremo Tribunal Federal (STF) julgue a denúncia contra o presidente por corrupção passiva.

A apreciação da reforma trabalhista foi bastante tumultuada. No início da tarde, um protesto de senadoras conseguiram impedir temporariamente a apreciação da matéria ao sentarem-se nas cadeiras dos integrantes da Mesa Diretora do Senado, inclusive a do presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE).

As parlamentares defendiam a votação de três emendas da oposição ao projeto, o principal delas é o que impede o trabalho em locais insalubres para mulheres grávidas e lactantes.

No início da tarde, Eunício tentou presidir a sessão. Sem sucesso, ordenou o corte de luz e dos microfones do plenário. Senadores chegaram a discutir a transferência da votação do projeto para um auditório, sem a presença de parte da imprensa e de manifestantes ligados a sindicatos, críticos ao projeto. Ainda houve ameaças de abrir um processo de quebra de decoro contra elas no Conselho de Ética.

No início da noite, contudo, o presidente do Senado voltou ao plenário e reabriu a sessão, de microfone em punho e sem estar sentado na cadeira de presidente, cobrando a orientação de votos dos líderes partidários. Após novos protestos, a senadora Fátima Bezerra (PT-RN) levantou a cadeira do presidente do Senado, que ocupava, a Eunício, após ele concordar com a votação das emendas.

Após a conclusão da votação na reforma trabalhista no Senado, Temer fez uma declaração no Palácio do Planalto e afirmou que a aprovação foi uma vitória dos brasileiros e contra o desemprego.

“Tive a coragem de propor essa mudança fundamental para todo o país e, portanto, para todos os brasileiros. Vocês sabem que nela eu me empenhei desde o início do meu mandato. Seu sentido pode ser resumido de uma forma singelíssima: nenhum direito a menos, muitos empregos a mais”, disse o presidente, que também comemorou a margem de aprovação da matéria, cujo texto-base teve 50 votos a favor, 26 contra e uma abstenção.

MEDIDA PROVISÓRIA

O governo não queria alterações ao texto aprovado pelos deputados porque eventuais mudanças levariam ao retorno da matéria à Câmara. O Palácio do Planalto contava com a aprovação do texto para demonstrar que ainda tem força política diante das dificuldades vividas por Temer.

Para evitar mudanças, o Planalto comprometeu-se a editar uma medida provisória com as modificações na legislação trabalhista sugeridas pelos senadores.

Em discurso, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), defendeu a aprovação da proposta. Ele disse que a matéria não retira direito dos trabalhadores, que continuam assegurados na Constituição.

“É uma lei para que os jovens tenham condição para o primeiro emprego”, afirmou Jucá.

O senador Renan Calheiros (AL), que deixou a liderança do PMDB na semana passada com fortes críticas à proposta, voltou novamente à carga. Reclamou do fato de a matéria ser aprovada sem poder fazer uma emenda sequer.

“Não vamos fazer as reformas para revogar direito dos trabalhadores”, protestou.

A presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), uma das parlamentares que liderou a ocupação da Mesa Diretora, afirmou que os senadores deveriam ter “vergonha” de votar a reforma.

“Nós temos que votar a favor do povo, não contra o povo! Vocês estão votando pelos interesses de vocês, olhando o umbigo de vocês, porque é isso que os senhores querem: que o trabalhador ganhe menos, trabalhe mais e que o lucro seja maior na sociedade. E, de preferência, que o orçamento público sirva, apenas e tão somente, para pagar o serviço financeiro da dívida”, criticou.

Os senadores rejeitaram as emendas da oposição que tentavam barrar o trabalho intermitente, a prevalência do acordado sobre o legislado e a possibilidade de trabalho insalubre para mulheres grávidas e lactantes.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below