12 de Julho de 2017 / às 15:21 / em 5 meses

Indicada para PGR, Raquel Dodge diz que combate à corrupção seguirá sendo prioridade e defende delações

BRASÍLIA (Reuters) - Indicada para ser a nova procuradora-geral da República, Raquel Dodge defendeu na Comissão de Constituição e Justiça do Senado as delações premiadas e afirmou que o combate à corrupção e às organizações criminosas continuarão sendo prioridade do Ministério Público.

Raquel Dodge durante debate entre candidatos a Procurador Geral da República em Brasília 22/6/2017 REUTERS/Ueslei Marcelino

“O enfrentamento da corrupção continuará a ser prioridade do Ministério Público Federal”, disse a procuradora em sua fala inicial na sessão da Comissão de Constituição e Justiça onde está sendo sabatinada nesta quarta-feira.

Ao responder às primeiras perguntas sobre delação, a procuradora afirmou que o instrumento é essencial na investigação de organizações criminosas, mas que devem ser seguidos os limites determinados em lei. Entre eles, os que determinam o sigilo até o final das investigações e que os acordos não podem beneficiar líderes de organizações criminosas.

A ressalva pode ser interpretada como uma crítica velada ao atual procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que tem pedido o levantamento do sigilo das delações antes das investigações dos casos gerados pelos delatores serem encerradas.

Raquel Dodge lembrou que o instrumento não é novo e que a novidade é a regulamentação feita sobre a delação.

“A novidade desse novo instituto é a extensão que o Congresso o regulamentou, estabelecendo condições para seu bom emprego. Por exemplo, o sigilo até que a linha de investigação seja concluída e o não beneficiar líderes de organização criminosa. É nesse limite que devemos usar”, disse a procuradora.

Raquel Dodge, segunda colocada na lista tríplice votada pelo Ministério Público, foi a indicada pelo presidente Michel Temer para assumir o cargo de Janot a partir de setembro.

A nova PGR destacou ainda que seu plano de trabalho vai manter o foco no combate à corrupção.

“A Operação Lava Jato e todas as outros a ela associadas mostraram que com a legislação que temos é possível ter resultados e de forma célere. É preciso manter essa atuação e essa pauta de trabalho até que isso seja substituído por uma gestão honesta dos recursos públicos”, disse.

A procuradora disse ainda que, se for necessário, poderá aumentar os recursos humanos dedicados às operações.

Reportagem de Lisandra Paraguassu

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below