18 de Julho de 2017 / às 22:36 / em 3 meses

Em respostas a Cunha, Temer diz que não participou de arrecadação para campanha de Chalita

(Reuters) - O presidente Michel Temer disse em respostas a perguntas feitas pelo ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha e enviadas à Justiça, que não participou da arrecadação de campanha de Gabriel Chalita em 2012 e que o atual secretario-geral da Presidência, Moreira Franco, foi indicação do PMDB à vice-presidência de loterias da Caixa Econômica Federal durante o governo Lula.

Presidente Michel Temer 12/07/2017 REUTERS/Adriano Machado

As respostas de Temer a Cunha foram dadas no âmbito de uma ação na qual o ex-deputado é réu na Justiça Federal do Distrito Federal e que trata de irregularidades no Fundo de Investimentos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FI-FGTS).

Nas respostas, Temer também negou ter conhecimento de que vantagens indevidas em troca de liberação de financiamento do FI-FGTS, seja por Moreira Franco ou por Cunha.

Indagado sobre se algumas das empresas investigadas neste caso fizeram doações para o PMDB, presidido por Temer até 2016, e especificamente para a campanha de Chalita, à época peemedebista, à prefeitura de São Paulo em 2012, o presidente respondeu: “Não tenho conhecimento de recebimento de qualquer vantagem indevida. As empresas que doaram, fizeram-no oficialmente”.

“Não acompanhei a arrecadação de campanha de Gabriel Chalita”, também afirmou Temer ao responder às perguntas de Cunha, que teve o mandato de deputado cassado e está preso em Curitiba, condenado em processo ligado à operação Lava Jato.

Temer já teve seu nome ligado a supostas irregularidades na arrecadação para a campanha de Chalita em depoimentos de testemunhas e de delatores que firmaram acordo com a Justiça.

O ex-presidente da Transpetro Sergio Machado acusou o presidente de ter lhe pedido que empresas que tinham contratos com a subsidiária da Petrobras doassem à campanha do então peemedebista. De acordo com Machado, o valor acertado foi de 1,5 milhão de reais e a empresa que fez a doação foi a Queiroz Galvão.

Em depoimento à Polícia Federal, o operador financeiro Lucio Funaro, que está preso há mais de um ano em Brasília, disse que Temer orientou diretamente a distribuição de 20 milhões de reais em propinas para sua campanha à reeleição como vice-presidente da República, em 2014, e para a de Chalita em 2012.

O presidente nega todas as irregularidades.

Por Eduardo Simões, em São Paulo

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below