21 de Julho de 2017 / às 13:11 / em 5 meses

Jerusalém entra em alerta por aumento de tensão em local sagrado

JERUSALÉM (Reuters) - Israel reforçou a segurança na Cidade Velha de Jerusalém nesta sexta-feira e preparou-se para possíveis confrontos com religiosos muçulmanos depois que o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, decidiu manter detectores de metal em um local sagrado.

Policia israelense durante confronto do lado de fora da Cidade Velha de Jerusalém 21/07/2017 REUTERS/Ronen Zvulun

Confrontos diários estão ocorrendo entre palestinos que lançam pedras e policiais israelenses usando granadas desde que os detectores foram colocados na entrada do santuário, conhecido pelos muçulmanos como o Nobre Santuário e pelos judeus como o Monte do Templo, no domingo, após o assassinato de dois policiais israelenses.

Líderes muçulmanos e facções políticas palestinas exortaram os fiéis a se reunirem para um “dia de revolta” contra as novas políticas de segurança no local, que veem como mudanças de acordos delicados que governaram o local sagrado por décadas.

A polícia israelense disse que unidades extra foram mobilizadas para reforçar a segurança na Cidade Velha, enquanto o acesso muçulmano ao santuário para orações seria limitado a mulheres de todas as idades e homens com mais de 50 anos.

Bloqueios foram instalados nas estradas próximas a Jerusalém para parar ônibus transportando muçulmanos para o local.

“A polícia está coordenando para permitir que as orações de sexta-feira aconteçam e, ao mesmo tempo, medidas de segurança estão ocorrendo”, disse o porta-voz Micky Rosenfeld.

O conjunto Nobre Santuário-Monte do Templo, que contém o Domo de Rocha e a mesquita Al-Aqsa, tem sido uma fonte de conflitos religiosos. Desde que Israel anexou a Cidade Velha, incluindo essa região, na guerra do Oriente Médio em 1967, o local também se tornou um símbolo do nacionalismo palestino.

Na quinta-feira, houve pedidos para que Netanyahu recuasse e removesse os detectores de metal para não inflamar a situação. O presidente turco, Tayyip Erdogan, depois de discutir o assunto com o presidente palestino, Mahmoud Abbas, convocou o presidente israelense, Reuven Rivlin, para pressionar pela remoção.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below