26 de Julho de 2017 / às 21:12 / 3 meses atrás

Governo faz as contas e espera ter cerca de 300 votos para barrar denúncia contra Temer

BRASÍLIA (Reuters) - A uma semana da votação da denúncia contra o presidente Michel Temer pela Câmara dos Deputados, o Palácio do Planalto faz as contas e aposta em chegar próximo a 300 votos pela derrubada do processo, em uma tentativa de mostrar força, com o presidente se envolvendo pessoalmente na conquista de cerca de 80 votos ainda indecisos.

O presidente brasileiro Michel Temer no Palácio do Planalto, em Brasília 25/07/2017 REUTERS/Adriano Machado

Na quinta-feira, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, vai se reunir com os líderes da base aliada e do governo na Câmara para avaliar as perspectivas para o dia 2, quando está marcada a votação da denúncia no plenário.

Responsável pela contagem de votos, o vice-líder do governo na Câmara Beto Mansur (PRB-SP) afirma que o governo tinha, na última segunda-feira, 261 parlamentares a favor do governo e 80 indecisos.

“O presidente me pediu 20 nomes e ele mesmo entrou na briga, ligando para os deputados”, contou. “Acho que podemos chegar a 300 deputados votando conosco, com tendência de mais.”

Para que a Câmara autorize o Supremo Tribunal Federal (STF) a processar Temer são necessários os votos de 342 dos 513 deputados, um número que a oposição admite não ter. De acordo com cálculos de Mansur, nesse momento apenas 171 votos são garantidos contra o presidente.

Na votação da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) o governo venceu com os votos de 40 dos 66 deputados do colegiado, um a menos do que a projeção feita pelo Planalto e sua tropa de choque. Mas para isso os partidos aliados fizeram várias trocas de parlamentares na comissão.

Ainda assim, o governo perdeu cinco dos sete votos do PSDB, em tese um dos principais partidos da base.

Em plenário, a avaliação de Mansur é que o PSDB deve dar pouco mais da metade dos seus votos. E confirma que pode haver mudanças ministeriais depois da votação.

“O presidente não quer tirar o PSDB do governo. Mas há sim cobranças de partidos que ocupam um espaço menor e deram os votos na comissão”, disse o vice-líder do governo.

Mansur diz que, além da contagem dos votos, está fazendo um trabalho de “proporcionalidade” para entregar ao presidente, comparando o número de votos que cada partido der com seu tamanho na Esplanada dos Ministérios.

“Aí o presidente vai decidir o que fazer com isso”, afirmou.

PREVIDÊNCIA

A avaliação da base governista é que, derrotando essa primeira denúncia, uma segunda apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot --que analisa outros dois processos, por organização criminosa e obstrução da Justiça-- viria mais fraca e teria menos impacto na bancada.

“Eu acho que diminui a pressão, diminui muito. E a gente vai poder tentar trabalhar para aprovar o que é necessário”, disse Mansur.

Uma votação majoritariamente favorável ao governo seria um sinal de que Temer ainda tem força para mobilizar a bancada e mexer em temas necessários para a economia, como a reforma da Previdência.

Mansur confirma que a intenção do Planalto é recomeçar a negociação para a votação da reforma da Previdência logo depois de derrotar a denúncia.

“Temos que votar a reforma da Previdência entre agosto e setembro ou não dá mais tempo”, disse.

Reportagem adicional de Anthony Boadle e Ricardo Brito

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below