4 de Outubro de 2017 / às 18:18 / 15 dias atrás

Em defesa à Câmara, Padilha diz que cabe a deputados enfrentar "falta de respeito" institucional

Eliseu Padilha durante cerimônia no Palácio do Planalto 20/12/2016 REUTERS/Ueslei Marcelino

BRASÍLIA (Reuters) - Em defesa apresentada nesta quarta-feira à Câmara, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, rebateu a denúncia feita pelo ex-procurador-geral da República que o acusa de organização criminosa e conclamou os deputados a enfrentarem o “excesso e falta de respeito” institucional da Procuradoria-Geral da República.

“Enfim, cabe a esta Casa enfrentar o excesso e a falta de respeito institucional que uma denúncia absolutamente inepta representa na relação entre Poderes e Instituições da República”, defendeu o ministro, no documento entregue à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Padilha foi denunciado juntamente com o presidente Michel Temer e outros integrantes do PMDB por organização criminosa. Temer também foi denunciado por obstrução de Justiça. O presidente e o também ministro Moreira Franco, da Secretaria-Geral da Presidência, devem entregar sua defesa nesta tarde.

O chefe da Casa Civil faz uma crítica ao que considera como um dos mais perceptíveis vícios que permeiam a operação Lava Jato, o “etiquetamento negativo e genérico da classe política brasileira”. Segundo ele, isso obscurece as inegáveis vitórias alcançadas pela operação em seu breve desenrolar histórico.

Segundo o ministro, a denúncia não apresenta nada que o relacione a ilícitos na Lava Jato, como atos de corrupção, desvio de valores públicos, fraude em licitações e lavagem de dinheiro, assim como nenhum relator afirmou, nem mesmo indiretamente, que houve exigência de propina em algum momento. 

“Com a devida vênia, o que se percebe é que, se em quase trezentas folhas de denúncia as questões acima não foram respondidas, vale o ditado: quem muito fala, nada tem a dizer”, atacou.

O ministro criticou o uso das delações na denúncia e citou o fato de ser vinculado a dois apelidos, por delatores da J&F. Ele também afirmou que há uma suspeita de que houve uma colaboração “extremamente seletiva” para se fazer uma denúncia às pressas.

Padilha pede que os deputados rejeitem admitir o julgamento da denúncia.

Após a entrega da defesa pelos denunciados, a CCJ terá cinco sessões para instruir o processo e colocar em votação o pedido sobre se autoriza ou não o Supremo Tribunal Federal a julgar Temer, Padilha e Moreira Franco.

Reportagem de Ricardo Brito

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below