5 de Outubro de 2017 / às 12:00 / em 2 meses

Novas provas indicam participação "bem mais relevante" de Nuzman em compra de votos olímpicos, diz juiz

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Novas provas apresentadas pelos investigadores indicam participação “bem mais relevante” do presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB), Carlos Arthur Nuzman, no esquema de compra de votos para escolha do Rio de Janeiro como sede da Olimpíada de 2016, afirmou o juiz Marcelo Bretas no despacho em que decretou a prisão do dirigente nesta quinta-feira.

Presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB), Carlos Arthur Nuzman, na sede da Polícia Federal, no Rio de Janeiro 05/10/2017 REUTERS/Bruno Kelly

Nuzman, que foi preso pela PF em sua casa em um bairro de luxo do Rio nesta manhã, aparentemente atuou “direta e ativamente em negociação espúria” para que membros do Comitê Olímpico Internacional escolhessem a cidade brasileira para sediar a Olimpíada, segundo o magistrado.

Além disso, o dirigente mantinha recursos ocultos no exterior e só os declarou à Receita Federal após deflagração da operação Unfair Play, incluindo 16 barras de ouro de 1 quilo cada depositadas na Suíça, acrescentou o juiz em seu despacho.

Por Pedro Fonseca

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below