November 16, 2017 / 6:19 PM / 7 months ago

Tribunal determina prisão de presidente da Alerj e outros dois deputados estaduais do PMDB

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Os deputados estaduais Jorge Picciani, presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), Paulo Mello e Edson Albertassi, todos do PMDB, se apresentaram à polícia na tarde desta quinta-feira, depois que o Tribunal Regional Federal da 2ª Região decretou a prisão preventiva deles.

Jorge Picciani chega à sede da PF no Rio de Janeiro 29/3/2017 REUTERS/Sergio Moraes

Eles foram alvos de uma operação desdobramento da Lava Jato, na última terça feira, e são acusados de corrupção, associação criminosa, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

O pedido de prisão foi feito pelo MPF no âmbito da operação Cadeia Velha e, foi aceito por unanimidade em sessão extraordinária nessa quinta feira. O pedido de prisão foi sucedido a uma determinação de afastamento das funções parlamentares.

“Foi uma decisão histórica, importante e necessária porque o enfrentamento a criminalidade organizada precisa de decisões corajosas”, disse a procuradora da República Silvana Batini.

Os mandados de prisão foram cumpridos imediatamente, mas caberá ao plenário da Alerj definir se mantém os deputados presos e afastados de suas funções parlamentares.

“As ordens de prisão foram expedidas para prisão imediata mas há uma burocracia para submeter a decisão a Alerj que decidirá se os mantém ou não presos”, frisou o procurador Carlos Aguiar.

A sessão sobre a análise do caso na Alerj deve ser marcada assim que a Casa for notificada. Segundo fontes, a sessão poderia ser marcada para sexta feira.

O procurador destacou que os deputados poderiam revogar a prisão dos parlamentares mas mantê-los afastados de suas funções.

“Se a decisão for revogada, o MPF se mantém firme na orientação de afastamento deles das funções públicas e se a Alerj derrubar a decisão do tribunal e não cumprir a ordem vamos recorrer... em tese podem ser soltos mas afastados”, acrescentou Aguiar.

Na terça-feira, Picciani negou ter cometido qualquer ilegalidade. “Em toda a minha carreira jamais recebi qualquer vantagem em troca de favores”, afirmou.

Mello disse, também por meio de nota, que está à disposição da Justiça e irá contribuir com as investigações. “Não tenho nada a esconder.”

Reportagem de Rodrigo Viga Gaier

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below