January 23, 2018 / 8:21 PM / 7 months ago

Venezuela realizará eleições presidenciais até fim de abril; Maduro deverá ser candidato

CARACAS (Reuters) - A Venezuela vai realizar eleição presidencial até o fim de abril, disse o órgão legislativo pró-governo nesta terça-feira, e o presidente Nicolás Maduro é o favorito para vencer a oposição, apesar da crise econômica e sanções estrangeiras.

Maduro posa com simpatizante durante evento em Caracas 19/1/2018 Divulgação

O impopular líder socialista, cujos inimigos chamam de ditador que destruiu a economia do país membro da Opep, disse que buscará a reeleição se o Partido Socialista quiser, ainda que os venezuelanos estejam vivendo em meio a prateleiras vazias e a mais rápida inflação do mundo.

“Estou pronto para ser um candidato”, afirmou ele a repórteres.

O ex-líder sindical de 55 anos, que sucedeu Hugo Chávez em 2013, se beneficia de um formidável maquinário político, uma comissão eleitoral nacional complacente e um núcleo duro de apoio de venezuelanos pobres dependentes de distribuição de alimentos pelo Estado.

“Nós só temos um candidato”, disse o número 2 do Partido Socialista, Diosdado Cabello, ao parlamento da Assembleia Constituinte em uma óbvia referência a Maduro.

Críticos, desde políticos da oposição a potências ocidentais, duvidam que as autoridades irão permitir uma votação livre e justa, dada a proibição a algumas figuras da oposição de concorrer somado ao abuso de recursos públicos em campanhas.

Alguns temem uma fraude completa.

“Isso não é eleição, é uma ocupação militar com uma comissão eleitoral fraudulenta”, disse a ativista da oposição Maria Corina Machado, referindo-se ao grande papel das forças armadas no governo e da postura pró-Maduro da comissão no passado.

A Assembleia Constituinte disse que a nova eleição na Venezuela é mais uma evidência de suas credenciais democráticas apesar de uma recente série de sanções internacionais.

Questionado sobre o plano de Maduro de concorrer à reeleição, o Departamento de Estado norte-americano disse não considerar uma boa ideia para os venezuelanos.

Estados Unidos, Canadá e União Europeia tomaram medidas contra o governo da Venezuela por alegações de abuso de direitos e corrupção, abalando a imagem do governo e afastando bancos de trabalhar com Caracas.

“Se o mundo quer aplicar sanções, nós aplicaremos eleições”, acrescentou Cabello, que havia sido visto por alguns como um possível rival a Maduro para a Presidência.

O Grupo de Lima rejeitou a decisão da Assembleia Nacional Constituinte da Venezuela de convocar eleições presidenciais e afirmou, ao final de uma reunião em Santiago, que, sob as condições atuais, as eleições carecem de legitimidade.

“Esta situação impossibilita a realização de eleições presidenciais democráticas, transparentes e críveis”, disse o chanceler chileno, Heraldo Muñoz, ao ler uma declaração aprovada pelos chanceleres, vice-chanceleres e representantes de Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Guiana, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lucía.

Caso a votação seja compreendida como fraudulenta, mais sanções internacionais poderão ocorrer, inclusive do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que fez da oposição a Maduro um importante aspecto de sua política externa.

Mais medidas econômicas, no entanto, piorariam uma recessão que está agora em seu quinto ano em meio à má nutrição, doenças e imigração a vizinhos latino-americanos.

Reportagem adicional de Brian Ellsworth, Eyanir Chinea, Corina Pons e Andreina Aponte

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below