February 4, 2018 / 2:31 PM / in 4 months

Presidente do Irã considera novo plano nuclear dos EUA como ameaça à Rússia

DUBAI (Reuters) - O Irã acusou os Estados Unidos no domingo de ameaçar a Rússia com novas armas atômicas depois que Washington publicou um documento descrevendo planos para expandir suas capacidades nucleares para dissuadir outros países.

A revisão da política nuclear dos Estados Unidos, publicada na sexta-feira, irritou a Rússia, que considera o documento como de confronto, e suscitou receios de que poderia aumentar o risco de más interpretações pelas duas potências mundiais.

“Os norte-americanos estão ameaçando a Rússia com uma nova arma atômica”, disse em um discurso o presidente iraniano, Hassan Rouhani, um pragmatista que abriu o caminho para o acordo nuclear de Teerã em 2015 com as potências mundiais, incluindo o adversário de longa data, Washington.

“As mesmas pessoas que, supostamente, acreditam que o uso de armas de destruição em massa é um crime contra a humanidade... estão falando sobre novas armas para ameaçar ou usar contra rivais”, disse ele em seu pronunciamento televisionado.

O ministro das Relações Exteriores, Mohammad Javad Zarif, advertiu anteriormente em um tuíte de que o documento de política dos EUA representava o risco de “aproximar a humanidade da aniquilação”.

Os militares dos EUA colocaram a luta contra a China e a Rússia, apelidados de “poderes revisionistas”, no centro de uma nova estratégia de defesa nacional, afastando as prioridades de lutar contra militantes islâmicos.

Ao expandir sua própria capacidade nuclear de baixo rendimento, os Estados Unidos pretendem dissuadir a Rússia de usar armas nucleares, de acordo com autoridades norte-americanas.

Zarif também disse em seu tuíte: “A obstinação do (presidente dos EUA, Donald) Trump em matar o #JCPOA (acordo nuclear do Irã com potências mundiais) decorre da mesma imprudência perigosa.”

Trump prorrogou no mês passado o acordo nuclear do Irã, negociado antes de ele assumir o cargo, por um último período, mas advertiu os aliados europeus e o Congresso que precisam trabalhar com ele para consertar “as falhas desastrosas” no pacto ou enfrentar uma saída dos EUA. 

O ultimato pressiona os poderes da União Europeia - principais apoiadores e partidários no acordo internacional de 2015 para conter o programa nuclear do Irã - para satisfazer o Trump, que quer fortalecer o pacto com um acordo separado.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below