February 4, 2018 / 3:11 PM / 6 months ago

Equador vota em referendo limitação à reeleição, que pode impedir retorno de Correa

QUITO (Reuters) - Os eleitores equatorianos votavam neste domingo em um referendo para decidir sobre a reeleição presidencial ilimitada, com pesquisas que indicam que o veto provavelmente irá vencer e impedir que o ex-presidente de esquerda Rafael Correa volte ao poder.

O presidente Lenin Moreno propôs o referendo para mudar a constituição no que foi amplamente visto como uma tentativa de impedir que Correa, seu antigo mentor, volte a ocupar o cargo novamente em meio a uma disputa política amarga.

Moreno, um ex-vice-presidente eleito no ano passado, diz que a mudança fortalecerá a democracia da nação andina rica em petróleo.

“A corrupção se instala quando você tem apenas um governo que pensa que vai ficar para sempre”, disse Moreno durante um evento de campanha esta semana em um bairro de baixa renda da capital montanhosa de Quito.

Moreno tem um nível de popularidade de aproximadamente 69 por cento, de acordo com pesquisa Cedatos, graças ao seu estilo conciliador e sua repressão à suposta corrupção durante a administração de Correa.

“Estou votando ‘sim’ por uma mudança”, disse o advogado Andrea Ruales, de 27 anos, em Quito. “Antes, Correa decidiu. E agora, eles estão perguntando às pessoas.”

Cerca de 59 por cento dos equatorianos planejam votar a favor da limitação da reeleição, contra cerca de 27 por cento que planejam votar contra, de acordo com a pesquisa Opinion Publica Ecuador. Outras pesquisas apontaram uma tendência similar.

Correa, no entanto, diz que Moreno é um “traidor” que tenta aniquilá-lo politicamente.

Embora more em Bruxelas com sua esposa belga desde que deixou o cargo, Correa retornou várias vezes para obter apoio durante campanhas em todo o Equador.

“Eles estão tentando destruir tudo o que tem a ver com Correa”, ele disse à Reuters em uma entrevista, rodeado por vários legisladores que ainda o chamam de “presidente”.

O economista continua a ser popular em alguns lugares por sua política social e por um ‘boom’ alimentado por petróleo no início de sua presidência de uma década.

“Não houve mudanças com Moreno. Ele é um traidor ingrato porque ele não reconhece tudo o que Correa fez”, disse o guarda de segurança José Delgado, de 58 anos.

Mas muitos equatorianos estão cansados ​​do estilo de confronto de Correa e querem virar uma nova página.

Se Moreno conseguir uma vitória ressonante no domingo, ele poderá derrubar alguns membros do gabinete de Correa e sentir-se encorajado a impulsionar as reformas econômicas.

Uma perda pode obscurecer sua presidência, pois Correa provavelmente se candidatará novamente.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below