February 7, 2018 / 9:15 PM / 6 months ago

BC corta Selic a 6,75% ao ano, nova mínima histórica, e sinaliza fim do ciclo de afrouxamento

BRASÍLIA (Reuters) - O Banco Central desacelerou o passo e cortou a taxa básica de juros em 0,25 ponto percentual nesta quarta-feira, ao novo patamar recorde de 6,75 por cento ao ano, e sinalizou que o ciclo de afrouxamento na Selic deve acabar já no mês seguinte devido à melhor recuperação da atividade econômica no país.

Sede do Banco Central em Brasília 23/9/2015 REUTERS/Ueslei Marcelino

“Para a próxima reunião (em março), caso o cenário básico evolua conforme esperado, o Comitê vê, neste momento, como mais adequada a interrupção do processo de flexibilização monetária”, informou o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC em comunicado.

Mas fez uma ponderação, como é de praxe.

“Essa visão para a próxima reunião pode se alterar e levar a uma flexibilização monetária moderada adicional, caso haja mudanças na evolução do cenário básico e do balanço de riscos”, acrescentou o BC em comunicado, no qual manteve a projeção de inflação de 2018 e 2019 a 4,2 por cento pelo IPCA, pelo cenário de mercado.

No documento, o BC passou a indicar que o conjunto dos indicadores de atividade mostra “recuperação consistente da economia brasileira”. Antes, o tom era mais cauteloso, com o BC classificando a recuperação como “gradual”.

Em pesquisa Reuters, 43 de 45 economistas consultados já previam que o BC cortasse a Selic nessa magnitude. Para março, próxima reunião do Copom, 30 dos 44 esperam manutenção da taxa de juros, enquanto o restante projeta mais um corte de 0,25 ponto.

“Havia dúvida era se deixariam claro o encerramento do ciclo ou não. Esse comunicado deixou claro que o plano A é de encerramento”, afirmou a economista do banco Santader, Tatiana Pinheiro, acrescentando que o BC deixou claro que vê cenários de inflação e atividade bastante benignos, “que tornam possível a manutenção da taxa neste patamar no ano inteiro”.

O BC voltou a dizer que “os próximos passos da política monetária continuarão dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos, de possíveis reavaliações da estimativa da extensão do ciclo e das projeções e expectativas de inflação”.

Este foi 11º corte seguido na Selic no ciclo iniciado em outubro de 2016 e que já somou 7,5 pontos percentuais de redução diante do cenário de inflação fraca e retomada gradual da atividade econômica após dois anos de profunda recessão.

Mas a economia tem ganhado algum ímpeto neste ano, o que poderá fazê-la crescer ao ritmo mais rápido em cinco anos, pavimentando o caminho para o fim das tesouradas pelo BC.

Embora a inflação tenha terminado o ano passado abaixo do piso pela primeira vez desde a implementação do regime de metas, em 1999, a alta dos preços também voltou a ganhar força com o fim do período de meses de deflação dos alimentos.

Sobre o cenário externo, o BC manteve a avaliação de que ele é benéfico para economias emergentes, na medida em que a atividade econômica cresce globalmente.

“Isso tem contribuído até o momento para manter o apetite ao risco em relação a economias emergentes, apesar da volatilidade recente das condições financeiras nas economias avançadas”, informou.

Nesta semana, houve nervosismo nos mercados por conta dos temores de que o Federal Reserve, banco central norte-americano, poderá ser mais duro ao elevar a taxa de juros do país e atrair recursos aplicados hoje em outras praças financeiras, como a brasileira.

A reação foi de forte alta nos rendimentos dos títulos dos Estados Unidos e quedas acentuadas nas bolsas de valores.

“Uma coisa que eu acho que interessa e é importante é que ele (BC) ainda vê o cenário externo como favorável... apesar dessa volatilidade. A conjuntura macro está muito bem, obrigado”, afirmou o economista-chefe do banco Pine, Marco Caruso.

Neste comunicado, o BC manteve a avaliação de que as reformas e ajustes contribuem para a queda da taxa de juros estrutural no país. O governo não tem ainda apoio político suficiente para aprovar a reforma da Previdência, considerada essencial para colocar as contas públicas em ordem, no Congresso Nacional.

“Quanto aos eventos que poderiam alterar a atuação do BC, no sentido de promover um corte adicional de 0,25 ponto percentual, estaria a aprovação da reforma da Previdência, que até o momento não nos parece provável acontecer”, disse a economista da CM Research, em comunicado, Camila Abdelmalack.

Reportagem adicional de Iuri Dantas, em São Paulo, e Bruno Federowski, em Brasília

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below