February 9, 2018 / 11:29 AM / 8 months ago

Vendas no varejo do Brasil caem mais que o esperado em dezembro mas sobem em 2017 após 2 anos

RIO DE JANEIRO/SÃO PAULO (Reuters) - As vendas no varejo brasileiro registraram queda bem mais forte do que o esperado mas ainda assim terminou 2017 com crescimento após dois anos de contrações, com destaque para os eletrodomésticos, sustentando a recuperação da atividade em ambiente de juros e inflação baixos.

Pessoas passam em frente a loja em rua comercial de São Paulo 04/12/2014 REUTERS/Paulo Whitaker

Em dezembro, as vendas no varejo recuaram 1,5 por cento na comparação com o mês anterior, resultado mais fraco desde as perdas de 1,9 por cento em janeiro de 2016 e bem pior que a expectativa de recuo de 0,4 por cento em pesquisa da Reuters com analistas.

Sobre o mesmo período do ano anterior, o setor apresentou ganho de 3,3 por cento, ante expectativa dos economistas consultados de avanço de 4,7 por cento.

Mesmo assim, o setor fechou 2017 com alta de 2 por cento, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira, depois de contrações de 4,3 e 6,2 por cento em 2015 e 2016, respectivamente.

O resultado é efeito da melhora do consumo após dois anos de recessão, mas ainda está longe de recuperar as perdas acumuladas de 10,2 por cento em 2015 e 2016.

“Teve ainda uma ambiente econômico mais favorável com recuperação da renda e do crédito, além de inflação e juros mais baixos. Foi um ano que fechou positivo, mas nem de longe repõe a perda de mais de 10 por cento dos últimos dois anos”, disse a economista do IBGE Isabella Nunes.

Ela acrescentou ainda que a perda vista em dezembro veio por conta do resultado forte de novembro impulsionado pela Black Friday. “Tanto que os setores que mais subiram em novembro apresentaram queda em dezembro”, disse a economista. Em novembro as vendas varejistas subiram 1 por cento.

Entre as atividades pesquisadas, segundo o IBGE, o destaque em 2017 foi a alta de 9,5 por cento de móveis e eletrodomésticos, com juros menores facilitando o crédito.

O aumento de 1,4 por cento nas vendas de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, também ajudou na retomada do setor no ano passado.

Ambas as atividades, entretanto, pressionaram o resultado de dezembro. Enquanto as vendas de supermercados caíram 3 por cento na comparação com novembro, as de móveis e eletrodomésticos recuaram 2,7 por cento.

No varejo ampliado, que incluem veículos e material de construção, as vendas caíram 0,8 por cento em dezembro sobre o mês anterior mas fecharam 2017 com alta de 4 por cento.

O comércio brasileiro iniciou 2018 com uma visão mais positiva sobre o quadro atual do país, o que levou a confiança do setor em janeiro ao maior nível desde julho de 2014, segundo dados da Fundação Getulio Vargas (FGV).

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below