June 18, 2018 / 5:27 PM / 5 months ago

Temer diz que Mercosul segue vigilante sobre crise na Venezuela

(Reuters) - O presidente Michel Temer disse nesta segunda-feira que o Mercosul segue vigilante sobre a crise venezuelana, e o momento não permite hesitações.

Presidente paraguaio, Horácio Cartes, recebe presidente Michel Temer para cúpula do Mercosul em Luque 18/06/2018 REUTERSJorge Adorno

“Nós temos dever de fidelidade aos valores essenciais de nossos povos: democracia, liberdades fundamentais, direitos humanos”, disse Temer em reunião do Mercosul, em Assunção.m

“Não foi por outra razão que nós aplicamos o protocolo de Ushuaia diante, lamentamos dizer, de uma certa ruptura existente na ordem democrática da Venezuela. E nós continuamos vigilantes frente a eventual deterioração humanística, digamos assim, no quadro daquele país.”

A Venezuela vive grave crise político-econômica e milhares de venezuelanos têm deixado o país em direção a seus vizinhos, como o Brasil.

“Portanto, um povo irmão da América do Sul atravessa um momento preocupante e, portanto, não há espaço para hesitações”, acrescentou Temer.

O presidente aproveitou para dizer que irá a Roraima na terça-feira, onde se concentra a grande maioria dos venezuelanos que migraram para o Brasil nos últimos meses.

UNIÃO EUROPEIA

Em seu discurso, Temer defendeu ainda a abertura comercial do Mercosul —bloco formado por Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai e Venezuela, que está suspensa— e a importância das negociações com a União Europeia.

“Eu acho que nós, durante muito tempo trabalhamos para este acordo com a União Europeia. Penso, entretanto, que nós incentivamos e acentuamos muito mais as nossas negociações nesses últimos anos. Não é sem razão, que as negociações com a União Europeia avançaram enormemente nesses últimos tempos”, disse.

“Nós sabemos que na atividade político-econômica nem tudo se resolve de um dia para o outro, de um ano para o outro”, acrescentou. “Nós não devemos abandonar a ideia desta aliança... porque, na premissa que levantei, segundo a qual o nosso trabalho há de ser um trabalho cada vez mais de abertura para o mundo, fechar essa porta agora significa impedir o caminho das negociações que nestes últimos tempos, com todos os naturais embarassos, tem tido razoável sucesso.”

Por Alexandre Caverni, em São Paulo

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below