July 6, 2018 / 11:27 PM / 2 months ago

Bélgica usa ousadia e inteligência para derrotar Brasil em partida emocionante

(Reuters) - A Bélgica usou uma combinação de ousadia, inteligência e resiliência e mais que um pouco de sorte para eliminar o Brasil por 2 x 1 da Copa do Mundo nesta sexta-feira, em um memorável confronto nas quartas de final que seria digno de uma final.

Jogadores da seleção brasileira lamentam derrota contra Bélgica na Copa do Mundo 06/07/2018 REUTERS/Toru Hanai

Após decepcionantes eliminações nas quartas de final em seus dois últimos grandes torneios, o técnico da Bélgica, Roberto Martínez, introduziu autoconfiança em uma incrível e talentosa geração de jogadores que parecia estar sem isso no passado.

Martínez mudou a formação da Bélgica e começou o jogo com a escalação que encerrou a vitória por 3 x 2 sobre o Japão, quando sua equipe conseguiu dar a volta por cima após estar perdendo por 2 x 0.

Kevin De Bruyne foi colocado em uma função um pouco menos familiar atrás dos atacantes, enquanto Romelu Lukaku foi colocado na direita e Eden Hazard na esquerda.

A defesa normalmente insuperável do Brasil, que havia levado somente seis gols em 25 partidas sob comando de Tite, de repente pareceu muito vulnerável e foi repetidamente rasgada nos primeiros 30 minutos. 

O lateral-esquerdo Marcelo deixava uma avenida aberta quando seguia para o ataque e houve diversos ataques em que a Bélgica teve um jogador completamente livre na direita.

O segundo gol foi um contra-ataque clássico. Após a Bélgica afastar um escanteio, Lukaku abriu espaço e correu pelo meio. Ele tinha dois companheiros livres para tocar na direita e escolheu De Bruyne, que chutou baixo, superando o goleiro Alisson.

Neste momento, o Brasil parecia estar pronto para se render, como fez na derrota por 7 x 1 para a Alemanha na semifinal da Copa de 2014.

Mas a seleção brasileira se recompôs e voltou com força após o intervalo, mostrando à Bélgica que também é uma equipe resiliente – algo que muitos haviam duvidado.

Neymar, no entanto, não conseguiu encontrar espaços para corridas na esquerda e foi repetidamente bloqueado.

A Bélgica também usou inteligência para quebrar o impulso do Brasil, conforme manteve posse de bola no meio de campo, frustrando a seleção brasileira e forçando faltas, que custaram preciosos segundos ao Brasil.

Eden Hazard desempenhou um papel fundamental, forçou Fernandinho a dar uma dividida que rendeu um cartão amarelo ao brasileiro, e então conseguiu uma falta de Miranda, na qual celebrou como se tivesse marcado um gol.

A Bélgica também usufruiu da sorte. A seleção belga escapou de alguns possíveis pênaltis que outros árbitros teriam marcado e um chute de Thiago Silva que bateu na trave no começo da partida teria alterado completamente o rumo do jogo.

Quando tudo falhava, lá estava Thibaut Courtois, que fez diversas excelentes defesas, incluindo uma aos quatro minutos dos acréscimos, afastando um chute de Neymar que ia para o ângulo.

“Você precisa ter uma vantagem técnica quando você enfrenta o Brasil”, disse Martínez. “A execução destas táticas foi magnífica. Em dois dias, eles (os jogadores belgas) mudaram a disposição tática. Eu não poderia estar mais orgulhoso.”

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below