August 8, 2018 / 12:03 PM / 3 months ago

IPCA desacelera em julho com queda dos alimentos após impacto de greve dos caminhoneiros

Por Rodrigo Viga Gaier e Patrícia Duarte

Consumidores fazem compra em mercado em São Paulo 11/01/2017 REUTERS/Paulo Whitaker

RIO DE JANEIRO/SÃO PAULO, 8 Ago (Reuters) - A inflação oficial no Brasil desacelerou em julho pela primeira vez em dois meses, com perda de força da pressão provocada pela greve dos caminhoneiros, o que ajudará o Banco Central a não ter de mexer na taxa básica de juros tão cedo.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 0,33 por cento no mês passado, após alta de 1,26 por cento em junho, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira. Ainda assim, foi o maior avanço para julho desde 2016 (+0,52 por cento).

Em 12 meses, o indicador acumulou avanço de 4,48 por cento, praticamente no centro da meta de inflação, de 4,50 por cento, com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou menos. O IPCA-15 de julho, prévia do IPCA, havia superado essa marca pela primeira vez em mais de um ano.

A desaceleração do IPCA mensal já era esperada, mas foi menos intensa do que as projeções de analistas ouvidos pela Reuters, de alta mensal de 0,27 por cento e de 4,40 por cento em 12 meses.

“O IPCA tem a ver principalmente com o fim do efeito da greve dos caminhoneiros. Ao longo do mês houve um aumento na oferta de produtos agrícolas, seja por ser o momento da safra seja pela normalização da distribuição dos produtos afetados pela greve”, explicou o gerente da pesquisa do IBGE, Fernando Gonçalves.

No fim de maio, caminhoneiros bloquearam rodovias do país em protesto contra a alta do preço do diesel, forçando fazendeiros a abater aves e descartar leite, além de causar desabastecimentos de diversos produtos.

Segundo o IBGE, o grupo Alimentação e Bebidas teve deflação de 0,12 por cento em julho, após marcar a maior alta dos últimos 29 meses em junho (2,03 por cento). Um dos destaques ficou para a cebola, cujos preços caíram 33,50 por cento em julho, frente alta de 1,42 por cento no mês anterior.

A alta dos preços de Habitação (1,54 por cento) e Transportes (0,49 por cento) desacelerou de junho para julho, mas os dois grupos foram os que mais contribuíram na composição do índice.

O destaque ficou para o item energia elétrica, cujos preços saltaram 5,33 por cento no mês passado, apesar de terem ficado mais fracos do que junho (+7,93 por cento). A continuidade da vigência da bandeira tarifária vermelha patamar 2, no geral, continuou pesando.

Na semana passada, o BC deixou a Selic na mínima de 6,50 por cento pela terceira reunião seguida e sugeriu que não deve elevá-la por enquanto, citando as expectativas de inflação sob controle

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below