September 26, 2019 / 4:54 PM / 2 months ago

No câmbio, importante é efeito do dólar sobre canais de inflação, diz Campos Neto

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, avaliou nesta quinta-feira que a alta recente do dólar frente ao real não veio acompanhada de elevação do prêmio de risco e pontuou que o importante para o BC é quando há impacto do câmbio nos canais de inflação.

26/02/2019 REUTERS/Ueslei Marcelino - RC11BB7BF730

Em coletiva de imprensa, ele disse haver clara sensação de que o ajuste sofrido pela moeda norte-americana hoje é diferente do sofrido no passado. Devido ao fato de a taxa de juros longos estar baixa, houve incentivo para emissão da dívida em reais e pré-pagamento de dívidas em moedas estrangeiras, causando pressão no mercado spot, disse Campos Neto.

Ele destacou que a autoridade monetária não faz comentários nem projeções sobre o repasse cambial à inflação, chamado de “pass through”. Mas avaliou que esse repasse “tem oscilado bastante”.

“(A alta do dólar) não veio acompanhada de aumento do prêmio de risco, um pedaço grande do movimento foi global, um pedaço foi do pré-pagamento (de dívidas)”, disse.

“Nós estamos acompanhando de perto essa evolução. Trabalhamos com câmbio flutuante, o importante para nós é o efeito que o dólar possa ter, em algum momento, via canais de expectativa da inflação”, emendou.

Mais cedo nesta semana, ata do Comitê de Política Monetária (Copom) já havia indicado que trajetória calculada pelo BC para a inflação no curto prazo refletia “comportamento benigno de alguns componentes mais voláteis da inflação e dinâmica da inflação importada, cujos vetores altistas têm sido moderados pela trajetória de preços externos”.

Nesta quinta-feira, o diretor de Política Econômica do BC, Carlos Viana, indicou que, se de um lado houve alta do dólar, de outro, o BC olhou para preços nos mercados internacionais que oscilaram para baixo e representaram fator mitigador, como “commodities e outros”.

Viana lembrou ainda que, num ambiente de expectativas de inflação ancoradas e com fraca atividade econômica, o rapasse cambial acaba sendo menor.

“Expectativa é que, nessa conjuntura com ancoragem e hiato aberto, isso persista”, frisou ele, ponderando que o quadro pode oscilar ao longo do tempo e é parte do trabalho do Copom fazer essa avaliação e incorporá-la ao seu cenário.

Na semana passada, o BC cortou a taxa básica de juros em 0,5 ponto percentual, à mínima histórica de 5,5%, e indicou espaço para novo afrouxamento à frente — mensagem repetida em Relatório Trimestral de Inflação nesta manhã.

Desde então, analistas de mercado têm se debruçado sobre o quanto a oscilação do câmbio poderá afetar a magnitude dos novos cortes nos juros.

Da reunião de Copom de 31 de julho até aqui, o dólar subiu 8,8% em relação ao real.

ATUAÇÃO NO CÂMBIO

Após o BC também ter lançado mão em agosto de nova atuação no câmbio, vendendo dólares à vista, Campos Neto disse a jornalistas que a autoridade monetária não tem dogma em relação ao instrumento utilizado para intervenção cambial e tampouco meta para nível de swaps.

“Existia sempre um entendimento de que todas intervenções, ou grande parte das intervenções do BC, eram prioritariamente feitas por swap, então, na última reunião que nós fizemos, tenho tentado explicitar, talvez a única mudança em curso seja que nós não temos nenhum dogma em relação a instrumento”, afirmou.

“Nós temos um câmbio que não é conversível. Por não termos um câmbio que é conversível, nós temos variáveis diferentes que conseguem nos indicar onde está a demanda”, emendou.

Campos Neto defendeu que a depreciação cambial veio na esteira de um movimento forte de pré-pagamento de dívidas em moeda estrangeira, citando a atuação da Petrobras nesse sentido, mas também de outras empresas.

“Nós temos a intenção de fazer uma intervenção o mais limpa possível, que atenda a demanda o mais direto possível, e que tenha um menor custo para governo. Se você tem uma distorção muito grande entre o spot e o futuro, e faz uma intervenção em um instrumento onde não está a demanda, o seu custo de operacionalização é maior”, disse.

“Não tem nenhum dogma em relação a isso, não tem nenhuma meta para swap. Ao contrário: se nós tivermos um movimento inverso, uma demanda por swap contra derivativo, nós podemos fazer um movimento contrário ao que foi feito”, acrescentou.

POUPANÇA

Durante a coletiva, Campos Neto também afirmou que não existe nenhum estudo de mudança da remuneração de poupança sendo feito pelo BC neste momento, ao ser questionado se o governo cogitava a troca da remuneração de TR por IPCA.

Com reportagem adicional de Gabriel Ponte

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below