November 1, 2019 / 8:04 PM / in 21 days

Bolívia se divide após oposição pedir renúncia de Evo Morales e rejeitar auditoria

LA PAZ (Reuters) - A oposição da Bolívia endureceu sua postura nos protestos de rua contra o presidente Evo Morales, ao pedir que o líder de esquerda renuncie e rejeitar uma auditoria internacional da eleição polarizadora que lhe rendeu um quarto mandato.

Manifestantes protestam contra o presidente Evo Morales 31/10/2019 REUTERS/Kai Pfaffenbach

Morales, no poder há quase 14 anos, venceu a eleição de 20 de outubro com pouco mais dos 10 pontos de vantagem que precisava para uma vitória imediata, mas seu êxito foi ofuscado por uma polêmica depois que a contagem de votos foi interrompida durante um dia quando a eleição parecia rumar para um segundo turno.

Quando a contagem recomeçou, na esteira de uma queixa da oposição, de governos estrangeiros e de monitores eleitorais, ela mostrou uma forte tendência a favor de Morales, dando-lhes pouco mais que os votos necessários para evitar um segundo turno arriscado.

Apoiadores de Morales e do segundo colocado Carlos Mesa se chocaram nos protestos de rua. Duas pessoas morreram durante os tumultos de quarta-feira na província de Bispo Santistevan, no leste, as primeiras baixas de um impasse tenso que já dura quase uma quinzena.

Sob pressão, o governo deu sinal verde para a Organização dos Estados Americanos (OEA) auditar a votação na qualidade de monitora oficial do pleito. A auditoria começou na quinta-feira e deve levar cerca de duas semanas.

Mas a oposição agora quer mais, e Mesa se atém às alegações de fraude eleitoral.

As pessoas só querem “outra eleição sem Evo Morales”, disse Francisco Dorado, vice-governador de Bispo Santistevan, à Reuters na quinta-feira.

Morales, ex-líder de plantadores de coca de 60 anos, diz que venceu a eleição honestamente. O ministro das Relações Exteriores, Diego Pary, desafiou a oposição nesta sexta-feira a apresentar provas de fraude à OEA.

“O que tem que ser demonstrado nesta auditoria é se houve fraude ou se não houve fraude”, disse o chanceler, acrescentando que Mesa deveria ter sido capaz de coletar cópias de todas as tabelas de contagem de votos de seus delegados na seções eleitorais.

Nas ruas, os pedidos por novas eleições, e não um segundo turno, aumentaram, e manifestantes antigoverno pedindo que Morales deixe o cargo.

“Não nos cansaremos... até este governo sair”, disse o plantador de coca Felix Quispe.

Mesa, que presidiu a Bolívia de 2003 a 2005, quase não se pronunciou desde o início da auditoria, mas nos últimos dias questionou-a e disse que um número considerável de votos deveria ser anulado.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below