December 18, 2019 / 2:35 PM / 2 months ago

Comissão mista para reforma tributária será instalada para texto de consenso em 90 dias

BRASÍLIA (Reuters) - Uma comissão mista com deputados e senadores será instalada na quinta-feira para produzir um texto de consenso sobre a reforma tributária num prazo de até 90 dias, sendo que a expectativa é que matéria seja votada pelos parlamentares ainda no primeiro semestre de 2020.

Presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre, e o ministro da Economia, Paulo Guedes 05/08/2019 REUTERS/Adriano Machado

O anúncio da formação do colegiado foi feito nesta quarta-feira pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), após reunião com o ministro da Economia, Paulo Guedes.

“A indicação da Câmara de 15 deputados e a indicação do Senado de 15 senadores será feita e publicada amanhã, no Diário do Senado Federal e a partir de amanhã essa comissão terá 90 dias para compilar tudo que foi feito na Câmara, tudo que foi feito no Senado, com conciliação com a proposta do governo”, afirmou Alcolumbre.

Segundo o presidente do Senado, a comissão funcionará durante o recesso legislativo.

Maia, por sua vez, destacou que a ideia é que o texto seja fechado após o Carnaval para que a apreciação pelos parlamentares seja concluída na primeira metade do ano.

“É importante que a gente possa ter ainda no primeiro semestre um novo sistema tributário, um sistema tributário que caminhe para redução da tributação sobre o consumo, que no Brasil é desproporcionnal e contra os brasileiros mais simples, e que a gente possa reorganizar a tributação da renda, que possa tributar mais aqueles que têm mais recursos para pagar”, afirmou.

A ideia de um colegiado que tentasse pacificar num único texto as propostas que hoje tramitam na Câmara dos Deputados e no Senado já era ventilada pelos parlamentares e pela equipe econômica há tempos, mas ainda não tinha virado realidade.

O senador Roberto Rocha (PSDB-MA) será o presidente da comissão mista, e o deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) será o relator da proposta. A escolha reflete a tentativa de reunir num mesmo espaço os atores da reforma tributária que estavam atuando separados nas duas Casas, já que Rocha relatava a proposta que tramitava no Senado e Aguinaldo, a que estava na Câmara.

Na avaliação de Maia, a comissão mista vai possibilitar a organização de um texto comum que, depois de aprovado pela Câmara, chegará ao Senado “de forma harmônica”.

Até o momento, o governo do presidente Jair Bolsonaro ainda não mandou sua proposta de reforma tributária ao Congresso.

Também presente na reunião, Aguinaldo afirmou que, a princípio, ficou acertado que o governo apresentará sugestões ao colegiado de maneira informal.

“Vamos avançar e aí o governo vai mandar proposta se for necessário”, disse.

Embora tenha descido à portaria do Ministério da Economia junto com Maia e Alcolumbre, o ministro Guedes não falou com a imprensa.

Em comum, os textos da Câmara e do Senado propõem a instituição de um imposto sobre valor agregado, popularmente conhecido como IVA, no lugar de vários impostos que hoje incidem sobre o consumo.

No texto do Senado, a ideia era de que o IVA substituísse nove tributos: IPI, IOF, PIS, Pasep, Cofins, Salário-Educação e Cide-Combustíveis, todos federais, além do ICMS estadual e do ISS municipal. Já na Câmara, a proposta colocava sob o guarda-chuva do IVA apenas cinco impostos: IPI, PIS, Cofins, ICMS e ISS.

Embora não tenha formalizado sua proposta sobre o tema, membros da equipe econômica, incluindo Guedes, vinham reiterando que o governo preferia a instituição de um IVA federal, com unificação inicial de PIS e Cofins, dando aos entes regionais a oportunidade de colocarem depois os tributos sobre consumo de sua competência sob a aba do modelo.

Recentemente, o secretário especial da Receita Federal, José Tostes Neto, afirmou que, para além do IVA federal, o governo também iria enviar ao Congresso projeto para corrigir benefícios tributários da cesta básica. [nL2N2800AL]

O secretário também disse que a tributação sobre lucros e dividendos estará presente na proposta do governo de revisão do Imposto de Renda para diminuir a regressividade da estrutura atual, e que virá acompanhada de redução da tributação sobre empresas.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below