for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up
Nacional

ESPECIAL-Facções brasileiras tornam-se grandes exportadoras de cocaína e inundam Europa com pó branco

SANTOS (Reuters) - Anos de rastreamento de drogas no Porto de Santos deram ao inspetor de alfândega Oswaldo Dias um bom faro para cargas suspeitas. Um carregamento de retroescavadeiras de segunda mão com destino à Europa, no final do ano passado, parecia suspeito.

Contêiner é transportado no Porto de Santos 23/09/2019 REUTERS/Amanda Perobelli

Então, na manhã de 18 de novembro, Dias enviou as máquinas para um scanner, que revelou uma massa estranha alojada dentro de um dos braços amarelos da escavadeira. Ele pulou para dar uma olhada e descobriu rachaduras no metal e uma pintura duvidosa. Dias pediu um maçarico.

Lá dentro, ele encontrou 158 quilos de cocaína destinados ao porto belga da Antuérpia.

Segundo Dias, o uso de equipamentos de construção era apenas o mais recente artifício empregado por traficantes brasileiros. Em menos de uma década, ele os viu passar de vendedores nas ruas do país a grandes players internacionais, usando Santos e outros portos para transportar narcóticos para o exterior.

“A Europa é o destino por excelência”, afirmou Dias, que se aposentou no final do ano passado da Receita Federal.

O Brasil se tornou um dos principais fornecedores de cocaína para a Europa, transformando a participação do país no comércio transatlântico de drogas em uma velocidade que chocou as autoridades antidrogas.

Há muito considerado um país consumidor de cocaína, um mercado para a droga produzida na Colômbia, Peru e Bolívia, o Brasil se transformou em uma plataforma de lançamento para levar a coca ao oceano. De acordo com autoridades, facções locais se infiltraram nos portos brasileiros, enviando quantidades recordes de coca em navios de contêineres com destino à Europa, onde obtêm preços mais altos.

As facções brasileiras são agora participantes essenciais no mercado europeu de cocaína, avaliado em mais de 9 bilhões de euros, segundo análise feita pela Reuters de dados alfandegários sobre apreensões de cocaína, relatórios confidenciais de inteligência e pesquisas sobre drogas ilegais; e entrevistas com mais de duas dezenas de pessoas, incluindo agentes de segurança, funcionários públicos, diplomatas, especialistas antidrogas e pessoas envolvidas no comércio ilícito.

“Para cocaína, o Brasil emergiu como um grande país exportador”, disse Laurent Laniel, analista sênior do Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência (OEDT), a agência de drogas da União Europeia, com sede em Lisboa. “Isso é definitivamente algo novo.”

O comércio brasileiro de cocaína abrange grandes distâncias na maior nação da América do Sul. A Reuters acompanhou as polícias brasileira e peruana em ações contra criminosos perto da fronteira compartilhada dos países na Amazônia, onde houve uma explosão de cultivo e processamento de coca, planta usada para produzir cocaína.

“Está fora de controle”, disse o policial federal brasileiro Antônio Salgado, depois de se juntar aos colegas peruanos para destruir laboratórios de processamento de coca. “Você sobe no helicóptero e em dois minutos começa a ver plantações aqui, ali, em toda parte.”

A Reuters também esteve no Paraguai, cuja polícia provou não ser capaz de enfrentar as facções brasileiras que usam o país como caminho de produtos andinos para o Brasil; e em Santos, o maior porto da América Latina, onde as apreensões de drogas continuam quebrando recordes.

Todos os elos dessa vasta cadeia de suprimentos destacaram o novo status do Brasil como um dos principais centros de transbordo de coca para a Europa.

A mudança pode ser vista na Bélgica, a principal porta de entrada para a cocaína sul-americana na Europa, quase inteiramente através do porto de Antuérpia, de acordo com o OEDT.

Em 2019, as autoridades apreenderam um recorde de quase 62 toneladas de cocaína na Antuérpia, o segundo maior porto da Europa. Grande parte disso --15,9 toneladas, cerca de um quarto do total-- veio de navios procedentes do Brasil, mostram dados alfandegários belgas. Em 2015, as alfândegas belgas apreenderam apenas 293 kg vindos do Brasil, menos de 2% do transporte daquele ano.

Uma história semelhante ocorre na Espanha, o segundo portal mais importante da Europa. Há cinco anos, o Brasil não se classificava entre os principais pontos de embarque de navios de carga apanhados levando cocaína para a Espanha. Os cinco principais pontos eram Colômbia, Venezuela, Portugal, Equador e Chile, segundo dados fornecidos à Reuters no ano passado pela alfândega espanhola. O Brasil saltou para o primeiro lugar em 2016 e novamente em 2018, quando a polícia apreendeu um recorde de 4,3 toneladas de navios vindos de portos brasileiros, mostram os números.

O Brasil também foi o principal ponto de origem da cocaína apreendida na Alemanha em 2018, com uma apreensão histórica de quase 2,1 toneladas, de acordo com os dados aduaneiros alemães mais recentes.

Especialistas alertaram que os números de confisco não contam a história toda; apreensões maiores podem refletir melhor policiamento, em vez do aumento nos fluxos.

Mas duas coisas são certas: a Europa está “nadando em drogas” e o Brasil desempenha um papel cada vez mais crucial para levá-las até lá, disse Andrew Cunningham, outro especialista do OEDT, a agência de drogas da UE. “Não há absolutamente nenhuma dúvida sobre isso”, afirmou.

BRASIL DECOLA

O Brasil sempre teve o potencial de se tornar um grande exportador de cocaína, de acordo com Elvis Secco, que lidera uma unidade antidrogas da Polícia Federal.

As três facções mais importantes do Brasil --Primeiro Comando da Capital, Comando Vermelho e Família do Norte-- movimentam as drogas por enormes distâncias para abastecer os consumidores brasileiros. Com milhares de navios de carga saindo do Brasil anualmente para Europa, África e outros destinos, não havia razão para não ganhar o oceano, disse Secco à Reuters.

Mas outras tendências recentes ajudaram os traficantes brasileiros a se expandir. A produção global de cocaína --quase exclusivamente de Colômbia, Peru e Bolívia-- mais do que duplicou entre 2013 e 2017, atingindo 1.976 toneladas, segundo o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC). A América do Sul foi inundada com pó de alta pureza.

Os crescentes suprimentos resultaram na queda dos preços, atraindo novos usuários em todo o mundo, de acordo com o World Drug Report 2019, do UNODC.

Com a distribuição no lucrativo mercado dos Estados Unidos encurralada por cartéis mexicanos, as organizações criminosas do Brasil miraram a Europa. Os preços são mais altos do que nos EUA, devido às distâncias mais longas que precisam percorrer, disseram autoridades. A Europa também é um ponto de parada conveniente para cocaína destinada a mercados em crescimento no Oriente Médio e na Ásia, acrescentaram.

Como a Europa, o Brasil também é inundado de cocaína. Em 2019, a Polícia Federal registrou um recorde de 105 toneladas, aumento de 32% em relação a 2018. O presidente Jair Bolsonaro diz que é a prova de que o país está vencendo a guerra contra as drogas. “Estamos sufocando o crime organizado”, afirmou ele no Twitter em outubro.

Secco, o chefe do combate às drogas da PF, é mais cauteloso. Ele disse que as apreensões aumentaram porque a produção andina aumentou muito e mais cocaína está entrando no Brasil, “não por causa de novos investimentos” na segurança.

DROGAS NOS PORTOS

Grande parte da cocaína que flui do Brasil para a Europa é traficada pela maior e mais poderosa organização criminosa do Brasil, o PCC, segundo as autoridades.

A facção, segundo as autoridades, domina uma rota privilegiada de contrabando que começa na Bolívia e depois segue ao Brasil via Paraguai, onde o crime organizado está sobrecarregando as instituições fracas do país. Em janeiro, 75 membros do PCC escaparam de uma prisão paraguaia em uma fuga que as principais autoridades de segurança sabiam dos planos, mas não tinham poder para impedir, pois o grupo tinha diversos guardas sob sua influência.

Sediado em São Paulo, o PCC domina o tráfico no Porto de Santos, que movimenta cerca de 7.000 contêineres por dia. A polícia diz que a facção suborna ou ameaça os trabalhadores portuários a colocar cocaína em contêineres. Algumas drogas chegam a bordo de navios de carga no mar, disse Cunningham, da agência de drogas da UE.

Depois de chegar à Europa, a mercadoria é distribuída em todo o continente por criminosos marroquinos, italianos e do leste europeu em parceria com o PCC, afirmaram autoridades.

Em julho de 2019, a polícia brasileira prendeu Nicola Assisi, considerado uma figura importante da máfia italiana ´Ndrangheta, junto com seu filho Patrick, perto de Santos. Eles são “acusados de serem alguns dos maiores fornecedores de cocaína da Europa”, de acordo com um documento judicial do Brasil. Atualmente presos em Brasília, eles aguardam extradição para a Itália. O advogado deles, Eugênio Malavasi, se recusou a comentar o caso.

Com o Porto de Santos inundado de cocaína, as autoridades portuárias reforçaram a segurança. Desde 2016, todos os contêineres com destino à Europa são escaneados por raio X, segundo Dias, o inspetor de alfândega aposentado. Em 2019, os agentes aduaneiros capturaram um recorde de 27 toneladas de cocaína em Santos, aumento de 154% em comparação ao número de três anos atrás.

Ciro Moraes, comandante da PF em Santos, considera que as autoridades captam apenas uma fração. A única boa notícia, disse ele, é que o roubo de carga no porto caiu vertiginosamente. “Os caras que roubavam carga agora estão na logística de drogas”, afirmou.

COCAÍNA NA AMAZÔNIA

As organizações criminosas do Brasil também importam cocaína para a região amazônica ao longo da chamada fronteira tripla com Colômbia e Peru, segundo a Polícia Federal.

Os policiais dizem que grande parte do produto entra no Brasil de barco ao longo do rio Amazonas, com destino a Manaus, cidade de aproximadamente 2 milhões de habitantes. De lá, desce o rio até chegar aos portos do Nordeste, como Suape e Natal, em preparação para a travessia do Atlântico.

A Família do Norte, conhecida como FDN, tem a maior influência na Amazônia, disseram autoridades. Mas as crescentes exportações europeias atraíram concorrentes -- o PCC, o Comando Vermelho e outros grupos tentam adquirir o controle.

Por causa desta disputa, houve grande violência nas prisões da região, onde as facções recrutam prisioneiros não afiliados para suas equipes. As autoridades brasileiras culparam as facções em guerra por dois distúrbios prisionais que deixaram mais de 100 mortos no ano passado. Tiroteios são comuns em Manaus e ao longo do rio Amazonas.

As facções estão “menos assustadas e mais poderosas” do que costumavam ser, disse o oficial da PF Charles Nascimento, um veterano contra o tráfico de drogas na Amazônia.

O governo de Bolsonaro mirou as organizações criminosas ao atingir suas finanças e levar os líderes presos a prisões federais de segurança máxima.

O Brasil também está cooperando com outros países afetados. Autoridades belgas e brasileiras prometeram em 2019 aprofundar o compartilhamento de informações, reforçar a segurança portuária e combater a lavagem de dinheiro. E o governo Bolsonaro está intensificando os esforços antinarcóticos com seus vizinhos andinos.

PACTO DE FACÇÕES

No final do ano passado, a Reuters se uniu a uma missão conjunta de Brasil e Peru, passando uma semana com quatro policiais federais brasileiros e algumas dezenas de policiais antidrogas peruanos em Caballococha, uma cidade peruana com cerca de 24.000 pessoas. Acessível apenas por via aérea ou de barco, Caballococha fica às margens do rio Amazonas, ao sul da Colômbia e a cerca de 100 quilômetros rio acima da fronteira brasileira.

Essa região do Peru, chamada de Bajo Amazonas, responde por apenas 4% da colheita de coca de 50.000 hectares do país, de acordo com o UNODC. Mas o cultivo está crescendo, com aumento de 41% em 2017 em relação ao ano anterior, de acordo com os dados mais recentes.

O coronel Miguel Ángel Peric, chefe local da polícia antidrogas do Peru, afirmou que esses números não captam a escala do problema. Ele estimou que quase todos os moradores de Caballococha possuem algum vínculo direto ou indireto com o comércio de cocaína. Policiais peruanos disseram à Reuters suspeitar que alguns colegas estão ligados a traficantes, embora não tenham apresentado evidências.

A mudança de alianças entre gangues aumentou a complexidade. Surgiu uma parceria entre a FDN e o Los Caqueteños, um grupo colombiano que fornece cocaína produzida na Colômbia e no Peru, segundo dois relatórios de inteligência confidenciais vistos pela Reuters, um da polícia brasileira e outro de policiais colombianos.

Los Caqueteños foi fundado em 2010 por ex-membros de uma força paramilitar local e está sediado na cidade fronteiriça colombiana de Leticia. É “a organização mais hostil na região da tríplice fronteira”, segundo o relatório colombiano.

A força antinarcóticos bilateral buscava interromper algumas das operações do Los Caqueteños em torno de Caballococha. Mas na selva, a polícia sempre parecia estar um passo atrás dos traficantes.

SEM VESTÍGIOS

A missão contou com dois helicópteros MI-17 russos, fornecidos pelos peruanos. Um quebrou imediatamente, causando um atraso de alguns dias enquanto uma nova peça era transportada.

Uma vez consertado o helicóptero, a missão realizou apenas três prisões. Os suspeitos desapareceram na selva ao som da aeronave se aproximando.

A equipe também incendiou cinco laboratórios de pasta de coca, que executam a primeira etapa do processamento nas plantações de coca. Essas instalações são tipicamente barracos, onde os trabalhadores enchem barris de plástico com folhas de coca, gasolina e outros produtos químicos para formar pasta de coca. Esse lodo de cor verde é então transportado para laboratórios mais sofisticados para ser transformado em cocaína branca em pó.

Mas com o passar dos dias, as apreensões de pasta de coca não chegaram a muito. Então veio uma novidade. Um informante disse que um pequeno avião com 300 kg de pasta de coca havia caído durante a decolagem em uma pista de pouso clandestina. Havia outros 700 kg ao lado da pista, guardados por até 10 homens fortemente armados, segundo o informante.

Por volta do meio-dia do dia seguinte, algumas dezenas de policiais peruanos partiram em helicópteros. Quando a pista foi vista, foram disparados tiros de metralhadora. Mas, ao pousar, não encontraram homens armados, drogas ou avião. Eles localizaram os destroços carbonizados de um Beechcraft Baron 58, uma aeronave de propriedade brasileira, deixada no rio. Também não havia nada.

Reportagem adicional de Catarina Demony, em Lisboa, e Angelo Amante, em Roma

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up