April 2, 2020 / 3:12 PM / 2 months ago

Fitch prevê profunda recessão global em 2020 em meio a escalada da crise do coronavírus

Logo da agência de classificação de riscos Fitch em seus escritórios em Londres 03/03/2016 REUTERS/Reinhard Krause

BRASÍLIA (Reuters) - A agência de classificação de risco Fitch projeta uma profunda recessão global para 2020, com a atividade econômica sofrendo retração de 1,9% em consequência das ações de isolamento social, de acordo com o cenário básico de nova atualização do relatório Perspectivas Econômicas Globais, divulgado nesta quinta-feira.

A Fitch prevê retração de 3,3%, 4,2% e 3,9% para o Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos, zona do euro e Reino Unido, respectivamente, no ano, com o maior baque sendo sentido no primeiro semestre.

Na hipótese de a crise de saúde ser contida até a segunda metade do ano, a Fitch destaca que deve haver uma recuperação importante da atividade na sequência, conforme os bloqueios à movimentação de pessoas são retirados e as políticas de estímulo tenham efeito.

Mas a agência nota que fatores como perdas de emprego, cortes de investimento e choques de preços de commodities vão contribuir para amplificar a disrupção econômica.

“Nossa projeção básica não vê o PIB retornando aos níveis pré-vírus até o final de 2021 nos EUA e na Europa”, afirma o economista-chefe da Fitch, Brian Coulton.

Os efeitos das políticas para conter a disseminação do vírus têm sido dramáticos, afirma a Fitch, destacando que os impactos sobre o PIB vão depender da duração dos bloqueios.

“A título de ilustração, uma crise de dois a três meses com um período de bloqueio nacional de ‘rigor máximo’ de cinco semanas, que reduz o PIB em 20% ao dia, resultaria em um declínio de 7% a 8% no PIB trimestral (não anualizado)”, afirmou a agência no relatório, acrescentando que usou como referência suas estimativas para a performance da China no primeiro trimestre.

A Fitch afirmou que as ações fiscais e monetárias dos países para minimizar os estragos colaterais da crise têm sido maiores e mais tempestivas do que as adotadas na crise financeira global. Coulton ponderou, contudo, que benefícios mais amplos para o crescimento dessas medidas de estímulo não devem ser percebidos antes que a crise de saúde arrefeça.

A agência ressaltou, ainda, que as incertezas em torno das projeções são enormes e que os riscos são negativos. Caso os bloqueios nos Estados Unidos e na Europa sejam estendidos para oito semanas e depois retirados lentamente, haveria um declínio adicional de dois pontos percentuais no PIB dessas regiões sobre o estimado no cenário básico.

Por Isabel Versiani

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below