April 30, 2020 / 6:57 PM / 3 months ago

América Latina discute saída de isolamento apesar de aceleração de casos de Covid-19

Por Gabriel Stargardter e Natalia A. Ramos Miranda

Imigrantes hondurenhos no México após serem deportados dos Estados Unidos 30/04/2020 REUTERS/Jorge Cabrera

RIO DE JANEIRO/SANTIAGO (Reuters) - Países da América Latina têm enfrentado um debate cada vez mais exacerbado sobre quando e como reativar suas economias em grande parte paralisadas devido às medidas de isolamento do coronavírus, mesmo que a pior fase do surto ainda não tenha atingido os países da região.

A discussão ocorre apesar de dados coletados pela Reuters mostrarem que os casos de coronavírus na América Latina crescem muito mais rápido do que em outras partes do mundo. A região ultrapassou uma marca lamentável na quarta-feira: 10 mil mortes e 200 mil casos confirmados de coronavírus.

No Brasil, as cenas de um shopping em Blumenau (SC) que abriu as portas após o governo afrouxar as medidas de isolamento correram o país, provocando reações contrárias de euforia e críticas. No dia 22 de abril, quando houve a abertura, a cidade tinha 98 casos confirmados de Covid-19. Quatro dias depois, eram 167 — um salto de mais de 70%.

“A reabertura do shopping é efeitvamente uma ação muito ruim, em um momento muito ruim e do modo equivocado”, disse o prefeito de Blumenau, Mario Hildebrandt, à Reuters.

A operadora do shopping, Almeida Junior, disse que a decisão foi tomada seguindo as determinações do governo.

O presidente Jair Bolsonaro, crítico veemente do isolamento por causa dos impactos econômicos, disse nesta semana que não pode fazer milagre, depois que o país bateu recorde de mortes em 24 horas —474— e superou o total de óbitos da China, com mais de 5.400 vítimas fatais da doença.

“E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre”, respondeu o presidente a jornalistas, fazendo referência ao seu nome do meio.

O debate no Brasil se estende pela América Latina, onde a maioria dos países está enfrentando sua pior recessão desde os anos 1930.

O México tem 17.799 casos confirmados, o que as autoridades admitem ser uma fração do número real. O pico de infecções é esperado na primeira metade de maio, e a tensão já se faz sentir na Cidade do México, onde falta espaço em alguns hospitais particulares.

Apesar do temor de um aumento das infecções, o governo está sendo exortado a suavizar as restrições impostas à indústria. Mais de 300 CEOs escreveram ao presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, na semana passada, pressionando por uma reabertura rápida de seus fornecedores no México.

Como a economia mexicana é profundamente integrada aos Estados Unidos, um isolamento mexicano prolongado prejudicaria a capacidade de as indústrias norte-americanas reabrirem. O México está elaborando um calendário para permitir que as montadoras de veículos e seus fornecedores voltem ao trabalho a tempo para a reativação da indústria automobilística dos EUA, o que pode acontecer depois de 4 de maio.

López Obrador, que assim como Bolsonaro vem sendo criticado por minimizar o coronavírus, sinalizou que qualquer reabertura poderia ser gradual e que levará em consideração os riscos de saúde.

“Buscaremos o melhor momento, é questão de encontrar o equilíbrio entre saúde e economia”, disse ele na segunda-feira.

“DURO GOLPE”

Contrastando com Brasil e México, o Chile recebeu elogios por seu regime de testes em larga escala, pressão limitada nos hospitais e taxa de mortalidade baixa. Até quarta-feira, o país tinha 14.365 casos confirmados e só 207 mortes, como mostraram dados do governo.

Na semana passada, o presidente chileno, Sebastin Piñera, disse que passará a descongelar a economia gradualmente. O governo começou a chamar de volta funcionários públicos, anunciou o fim do fechamento das escolas e deu apoio tácito à reabertura de shoppings menores.

No entanto, os planos do governo também enfrentaram críticas — principalmente das principais operadoras de shopping centers. Na semana passada, Horst Paulmann, CEO da maior operadora de shopping centers do Chile, a Cencosud, disse que reabrir shoppings seria “um grave erro”.

“Os shoppings são como cidades, com 200 lojas ou mais do que qualquer um pode controlar”, disse ele a um jornal chileno.

Em um shopping recentemente reaberto no subúrbio de Patronato, em Santiago, a dona de uma loja de roupas, Miriam Dababneh, de 51 anos, ficou aliviada por voltar ao trabalho.

“Este surto foi um duro golpe”, disse ela, usando máscara. “Isso não é um sinal de normalidade, apenas uma medida para nos impedir de ir à falência. Para nós, abrir é respirar novamente.”

Reportagem adicional de Pedro Fonseca, no Rio de Janeiro; Aislinn Laing, em Santiago; Frank Jack Daniels, na Cidade do México; Edição de Maria Pia Palermo

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below