for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Coronavírus se espalha entre os que trabalham com frutas e vegetais e preocupa EUA

NOVA YORK/LOS ANGELES/CHICAGO (Reuters) - Das unidades responsáveis pela embalagem de maçãs no Estado de Washington aos trabalhadores agrícolas da Flórida e um condado da Califórnia, surtos do novo coronavírus estão surgindo em fazendas e fábricas que lidam com frutas e vegetais nos Estados Unidos.

Um número crescente de trabalhadores doentes em fazendas e fábricas de embalagem ocorre depois que milhares de funcionários de instalações de carne contraíram o vírus e podem levar a mais escassez de mão-de-obra e uma nova onda de interrupção na produção de alimentos nos EUA.

O governo Trump disse no mês passado que pode estender um decreto que mantém a operação de frigoríficos também para os produtores de frutas e vegetais, um sinal de que produtos frescos podem ser o próximo setor atingido.

Enquanto o distanciamento social pode ser mais facilmente implementado para os trabalhadores que colhem frutas e legumes nos campos, fábricas que embalam alimentos como maçãs e cenouras se assemelham às condições de cotovelo a cotovelo que contribuíram para surtos em instalações de embalagem de carne nos EUA.

No final de maio, havia mais de 600 casos de Covid-19 entre trabalhadores agrícolas no Condado de Yakima, Washington. Desses, 62% eram trabalhadores da indústria de maçãs e outras operações de embalagem ou depósito, de acordo com revisão da Reuters de dados de autoridades de saúde do condado.

Com 4.834 casos registrados em 10 de junho, o condado tinha a maior taxa de infecção per capita na Costa Oeste.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up