June 26, 2020 / 1:24 PM / 6 days ago

Médicos argentinos preveem semanas difíceis devido a chegada de pico da Covid-19

Mulher com máscara de proteção caminha em rua de Fuerte Apache, nos arredores de Buenos Aires, em meio à pandemia de Covid-19 23/06/2020 REUTERS/Agustin Marcarian

BUENOS AIRES (Reuters) - Médicos e autoridades de saúde da Argentina estão prevendo que os casos de coronavírus atingirão um pico nas próximas semanas agora que o inverno chega ao hemisfério sul, o que pressionará unidades de tratamento intensivo no momento em que os casos confirmados passam de 50 mil.

A nação sul-americana, que a princípio se saiu melhor do que muitos de seus vizinhos controlando o vírus com um isolamento rigoroso, viu os casos quintuplicarem desde meados de maio —só na quinta-feira foram mais de 2.600. O número de mortos está em cerca de 1.150.

O governo amenizou algumas restrições, mas manteve o isolamento na cidade e na província de Buenos Aires. Uma nova fase da quarentena deve ser anunciada nesta sexta-feira, já que as autoridades querem endurecer o controle da circulação.

“Estimamos que o número de pessoas infectadas continuará a aumentar nos próximos 20 dias, mais ou menos”, disse Juan Ciruzzi, diretor-executivo do hospital Eurnekian de Buenos Aires, acrescentando que isso se deve em parte ao relaxamento das regras de quarentena.

“As pessoas estão circulando mais, e não temos as ferramentas para combater isso.”

As infecções aumentaram particularmente no bairros mais pobres de Buenos Aires e nos subúrbios da capital, levando as autoridades a aumentarem os exames para ajudar a conter a proliferação.

O governo argentino está tentando revitalizar a economia duramente atingida, permitindo que mais negócios abram, mas parques, escolas e escritórios da capital continuam fechados e a maioria dos trabalhadores não essenciais continua confinada em casa.

Alejandro Andrés Revollini, diretor-associado do Eurnekian, disse que o número de casos só começará a cair de verdade a partir de setembro e que o “pico máximo” acontecerá em meados de julho.

“As pessoas entendem que teremos que conviver com o vírus e que muitos de nós o pegaremos”, disse.

Tradução Redação São Paulo, 5511 56447759 REUTERS ES

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below