for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Indicador antecedente de emprego tem 2ª alta seguida em junho, mas ainda requer cautela, diz FGV

Homem mostra carteira de trabalho em fila para procurar emprego no centro de São Paulo 29/03/2019 REUTERS/Amanda Perobelli

SÃO PAULO (Reuters) - O cenário para o mercado de trabalho brasileiro indica redução do pessimismo nos próximos meses, mas a segunda alta seguida do Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) da FGV em junho ainda deve ser vista com cautela.

A Fundação Getulio Vargas (FGV) informou nesta terça-feira que o IAEmp, que antecipa os rumos do mercado de trabalho no Brasil, subiu 14,0 pontos em junho, alcançando 56,7 pontos. Com esse resultado, o indicador recupera em maio-junho 33% das perdas de março-abril.

“... o resultado ainda é o terceiro menor da série histórica e precisa ser interpretado com cautela. A melhora do indicador sugere uma diminuição do pessimismo sobre o mercado de trabalho nos próximos meses, e que o pior momento parece ter ficado para trás”, avaliou em nota o economista da FGV Ibre Rodolpho Tobler.

“Contudo, a alta incerteza sobre o controle da pandemia e sobre o formato dessa recuperação econômica ainda são fatores que causam preocupação e podem limitar a continuidade do movimento de recuperação dos empregos”, alertou ele.

O Indicador Coincidente de Desemprego (ICD), que capta a percepção das famílias sobre o mercado de trabalho, caiu 2,2 pontos e chegou a 97,4 em junho. O comportamento do ICD é semelhante ao da taxa de desemprego, ou seja, quanto menor o número, melhor o resultado.

“Mesmo com o resultado positivo em junho, o indicador se mantém em patamar elevado sugerindo que ainda não é possível imaginar um cenário de melhora na taxa de desemprego no curto prazo”, completou Tobler.

A taxa de desemprego chegou a 12,6% entre fevereiro e abril, de 11,2% no trimestre encerrado em janeiro, com perdas recordes na ocupação, e o número de desempregados atingindo 12,8 milhões, diante das dispensas provocadas pelas medidas de restrição ao coronavírus.

Por Camila MoreiraEdição de Eduardo Simões

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up