for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Ministros da UE firmam acordo sobre lei climática, mas adiam decisão sobre meta de 2030

Chefe de políticas climáticas da UE, Frans Timmermans 06/10/2020 Olivier Hoslet/Pool via REUTERS

BRUXELAS (Reuters) - Ministros do Meio Ambiente da União Europeia firmaram um acordo nesta sexta-feira para tornar obrigatória a meta de emissões zero até 2050, mas deixaram que uma decisão sobre uma meta de corte de emissões até 2030 seja debatida por líderes em dezembro.

A lei histórica contra a mudança climática formará a base do plano europeu para cortar as emissões de gases de efeito estufa, o que reformulará todos os setores, do transporte à indústria pesada, e exigirá centenas de bilhões de euros em investimentos anuais.

Ela consolidará em lei a meta da UE de zerar as emissões até 2050, e definirá as regras para se revisar o progresso rumo às metas climáticas.

Os ministros fecharam o acordo sobre estas partes da lei em uma reunião em Luxemburgo nesta sexta-feira. Nenhum dos 27 países-membros rejeitou o projeto de lei, mas a Bulgária se absteve.

Uma decisão sobre a parte mais delicada do projeto de lei --uma nova meta de corte de emissões até 2030-- foi deixada aos cuidados dos líderes do bloco para que a aprovem por unanimidade em uma reunião em dezembro.

A lei dará a Bruxelas “a possibilidade legal de agir quando aqueles que fazem promessas não cumprem as promessas”, disse o chefe de políticas climáticas da UE, Frans Timmermans, no encontro desta sexta-feira. O encontro foi presencial, apesar de a maior parte do continente estar restringindo aglomerações para conter as infecções de coronavírus crescentes.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up