for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

PERFIL-Biden, figura histórica da política dos EUA, finalmente ganha seu prêmio

WASHINGTON (Reuters) - Joe Biden, parte da história da política dos Estados Unidos por meio século como senador e vice-presidente, completou uma longa escalada ao topo da montanha política que incluiu duas tentativas fracassadas de chegar à presidência derrotando o presidente Donald Trump.

Partidários democratas celebram a vitória de Biden em Wilmington, Delaware REUTERS/Kevin Lamarque

Quando entrar na Casa Branca, em 20 de janeiro, Biden, com 78 anos, será a pessoa mais velha a se tornar presidente do país.

O democrata de Delaware se baseou em sua experiência política durante uma campanha amarga e polarizada, apresentando-se como um líder comprovado capaz de curar uma nação atingida pela pandemia do coronavírus e fornecer estabilidade após a turbulência da presidência de Trump.

“Com a idade vem um pouco de sabedoria”, disse ele antes do fechamento das urnas na terça-feira.

A Edison Research e as principais redes de televisão dos Estados Unidos projetaram a vitória de Biden sobre o republicano Trump neste sábado.

Trump intensificou seus ataques infundados ao processo de votação nos últimos dias, alegando sem evidências que ele estava “roubando” a eleição.

Trump zombou dele como um “dorminhoco” e disse que sua capacidade mental está diminuída, enquanto aliados do atual presidente tentam retratar Biden como senil.

Trump, de 74 anos, era a pessoa mais velha a assumir o cargo quando foi empossado aos 70 anos em 2017.

Biden buscou sem sucesso a indicação presidencial democrata em 1988 e 2008 antes de finalmente garantir a aprovação de seu partido neste ano, com forte apoio dos eleitores negros.

Ao aceitar a indicação presidencial democrata em agosto, Biden enfatizou a compaixão e a decência, tentando estabelecer um contraste com o belicoso Trump.

“Serei um aliado da luz”, disse Biden, “não das trevas”.

Ele traz para sua carreira uma mistura de experiência no mercado de trabalho, experiência em política externa e uma história de vida convincente, marcada por uma tragédia familiar: a perda de sua primeira esposa e filha em um acidente de carro e um filho com câncer.

Biden veio para Washington como um jovem ambicioso. Ele foi eleito em 1972 aos 29 anos para o Senado de Delaware e serviu lá por 36 anos antes de servir de 2009 a 2017 como vice-presidente de Barack Obama, o primeiro presidente negro do país.

Depois, Biden optou por não se candidatar à presidência em 2016, em uma eleição em que Trump derrotou a democrata Hillary Clinton. Quando Biden anunciou sua candidatura em abril de 2019, ele mirou Trump diretamente.

“Estamos em uma batalha pela alma desta nação”, disse Biden, acrescentando que, se Trump fosse reeleito, “alteraria para sempre e fundamentalmente o caráter deste país, que é quem somos, e não posso ficar parado e ver isso”.

Biden escolheu a senadora Kamala Harris --cujo pai é um imigrante da Jamaica e sua mãe da Índia-- como sua companheira de chapa, tornando-a a primeira mulher negra e a primeira pessoa de ascendência asiática em uma candidatura partidária majoritária nos Estados Unidos. Aos 56 anos, Harris é uma geração mais jovem do que Biden.

CREDENCIAIS DE TRABALHADOR

Biden, o mais velho de quatro irmãos, nasceu na cidade operária de Scranton, Pensilvânia. Sua família mudou-se mais tarde para Delaware.

Biden superou a gagueira de criança recitando trechos de poesia diante de um espelho.

Ele era praticamente um novato na política --apenas dois anos em um conselho de condado em Delaware-- quando em 1972 ele se tornou o quinto senador eleito mais jovem na história dos Estados Unidos.

Apesar de anos de hostilidades partidárias em Washington, Biden continuou a acreditar no bipartidarismo.

Durante seu tempo no Senado, Biden era conhecido por suas relações de trabalho estreitas com alguns de seus colegas do outro lado.

Vários republicanos descontentes, incluindo ex-funcionários do governo e ex-legisladores, alarmados com a presidência de Trump, apoiaram Biden.

Ele também defendeu um papel para os Estados Unidos como líder no cenário mundial em um momento em que Trump estava abandonando os acordos internacionais e irritando seus ex-aliados estrangeiros.

Uma das realizações de Biden como senador foi ajudar a garantir a aprovação da Lei da Violência contra a Mulher em 1994 para proteger as vítimas de crimes domésticos.

Ainda no Senado, Biden se especializou em assuntos internacionais e passou a presidir a Comissão de Relações Exteriores. Ele votou para autorizar a invasão do Iraque em 2003 antes de se tornar crítico da forma como o presidente republicano George W. Bush lidou com a guerra.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up