September 23, 2014 / 8:14 PM / 4 years ago

Obama promete ataques aéreos contínuos contra Estado Islâmico na Síria

Por Roberta Rampton e Phil Stewart

Obama fala durante Iniciativa Global Clinton em Nova York. REUTERS/Kevin Lamarque

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, prometeu nesta terça-feira mais ataques aéreos contra os extremistas na Síria nesta terça-feira depois que forças dos EUA realizaram ataque aéreos visando militantes do Estado Islâmico e uma afiliada da Al Qaeda que Washington alegou estar planejando atentados em seu país e na Europa.

“Não iremos tolerar santuários para terroristas que ameaçam nosso povo”, afirmou Obama prestes a deixar a Casa Branca rumo a Nova York e à Organização das Nações Unidas (ONU), onde se reunirá com autoridades de nações árabes que se juntaram aos ataques ao Estado Islâmico.

A Casa Branca declarou que forças norte-americanas fizeram ataques por sua conta visando o grupo Khorasan, ligado à Al Qaeda, para interromper os planos de ataques iminentes no Ocidente.

“Já há algum tempo estamos monitorando planos para realizar atentados nos Estados Unidos e na Europa”, afirmou Ben Rhodes, vice-assessor de segurança nacional de Obama, aos repórteres que viajavam com o presidente para a Assembleia Geral da ONU.

“Acreditamos que os ataques planejados eram iminente”, disse Rhodes, “e que eles tinham planos de conduzir ataques fora da Síria”.

Os ataques norte-americanos e árabes contra alvos dos militantes na Síria de segunda para terça-feira foram só o início do esforço da coalizão para enfraquecer o Estado Islâmico, grupo extremista que já matou milhares, decapitou pelo menos três jornalistas ocidentais e ocupou vastas áreas da Síria e do noroeste do Iraque.

“Posso lhes dizer que os ataques da noite passada foram só o começo”, afirmou o contra-almirante John Kirby, secretário de imprensa do Pentágono, aos repórteres. Ele disse que as incursões foram “muito bem-sucedidas” e que continuarão.

Outro porta-voz militar declarou que as nações árabes, entre elas Barein, Jordânia, Catar, Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, participaram da segunda e da terceira onda de ataques. O tenente-general William Mayville Jr. disse que as ações desses países árabes foram desde patrulhas aéreas de combate até o disparo contra alvos.

Mayville afirmou que os bombardeios atingiram campos de treinamento, quarteis-generais, veículos e outros locais sob controle do Estado Islâmico, e que foram o início de “uma campanha crível, persistente e sustentável para desagregar e por fim destruir” o grupo radical sunita.

Obama disse que irá se reunir com o primeiro-ministro iraquiano, Haider al-Abadi, e “amigos e aliados” dos Estados Unidos na ONU para continuar a angariar apoio para a coalizão contra o Estado Islâmico.

O embaixador da Síria na ONU, Bashar Ja’afari, declarou nesta terça-feira ter sido pessoalmente informado por sua colega norte-americana, Samantha Power, sobre os ataques iminentes dos EUA e dos países árabes contra alvos dos militantes em território sírio antes que ocorressem.

Reportagem adicional de Missy Ryan

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below