September 24, 2014 / 12:48 PM / 4 years ago

Estado Islâmico avança sobre cidade curda síria após bombardeios dos EUA e aliados

Por Jonny Hogg e Tom Perry

Crianças curdas da Síria refugiadas aguardam na fronteira Turquia-Síria perto da cidade síria de Suruc. 24/09/2014 REUTERS/Murad Sezer

MURSITPINAR Turquia/BEIRUTE (Reuters) - O Estado Islâmico enviou reforços para seus combatentes que enfrentam forças curdas pelo controle de uma cidade síria na fronteira com a Turquia, um remanejamento desencadeado pelos ataques aéreos liderados pelos Estados Unidos contra o grupo em outras áreas, disse um oficial militar curdo.

Ocalan Iso, vice-líder das forças curdas que defendem a cidade de Kobani perto da fronteira turca, disse que mais tanques de guerra e combatentes do Estado Islâmico chegaram desde que a coalizão liderada pelos EUA iniciou ataques aéreos contra o grupo na terça-feira.

“O número de seus combatentes aumentou, o número de seus tanques aumentou desde o bombardeio de Raqqa”, disse Iso à Reuters por telefone. Ele repetiu pedidos para que a coalizão liderada pelos EUA expanda seus ataques aéreos para posições do Estado Islâmico perto de Kobani, também conhecida como Ayn al-Arab. “Kobani está em perigo”, disse ele.

Os ataques aéreos contra o Estado Islâmico na Síria até agora tiveram como alvo as províncias de Raqqa, Deir al-Zor e Hasakah. O Estado Islâmico lançou uma grande ofensiva contra Kobani na semana passada, forçando quase 140 mil curdos sírios a fugir pela fronteira para dentro da Turquia em poucos dias - o maior e mais rápido êxodo de civis desde o começo do conflito na Síria, em 2011.

Iso disse que combatentes do Estado Islâmico avançaram para dentro de um raio de 8 quilômetros ao sul de Kobani - o mais perto que chegaram em qualquer estágio da mais recente ofensiva.

“Pedimos que forças americanas atinjam suas posições. Eles estão a 8 quilômetros de Kobani. Eles estavam a 25 quilômetros antes”, disse Iso.

O Observatório Sírio de Direitos Humanos, que monitora a violência no conflito, relatou mais cedo ter havido ataques aéreos sobre posições do Estado Islâmico a oeste de Kobani realizados por aviões que, aparentemente, vieram de território turco.

Mas autoridades curdas em Kobani não puderam confirmar o relato, e a Turquia disse que nem seu espaço aéreo nem a base dos EUA no sul do país foram utilizados para realizar ataques aéreos.

“Por causa do bombardeio em Raqqa, o Estado Islâmico pegou todas as suas armas e as trouxe aqui. Há mais combatentes do Estado Islâmico nos últimos dois dias, e eles trouxeram todas as suas forças aqui”, disse Ahmed Hassan, de 60 anos, um curdo sírio que fugiu para a Turquia com a família.

“Eles possuem armamento pesado. Nós estamos fugindo deles. O YPG não tem armamentos pesados. É por isso que precisamos de ajuda”, disse ele, referindo-se ao principal grupo armado curdo.

Reportagem adicional de Seyhmus Cakan em Diyarbakir e Sylvia Westall em Beirute

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below