November 18, 2014 / 10:03 AM / 4 years ago

Mais cinco soldados ucranianos são mortos; ministro alemão visita Kiev

Fumaça vista em prédio residencial após bombardeio durante confronto entre separatistas pró-Rússia e forças do governo da Ucrânia no leste da Ucrânia. 17/11/2014 REUTERS/Antonio Bronic

KIEV (Reuters) - Cinco soldados ucranianos foram mortos nos conflitos no leste da Ucrânia nas últimas 24 horas, informaram as Forças Armadas nesta terça-feira, enquanto o ministro das Relações Exteriores da Alemanha se prepara para realizar reuniões sobre a crise tanto em Kiev como em Moscou.

A viagem de Frank-Walter Steinmeier será uma das primeiras visitas de uma autoridade alemã a Moscou desde o início da crise ucraniana neste ano, que provocou uma divisão profunda entre a Rússia e o Ocidente.

A visita de Steinmeier acontece em meio a um aumento da violência no leste da Ucrânia e de acusações de Kiev e do Ocidente de que a Rússia está enviando soldados e armas para fortalecer os rebeldes pró-Rússia no leste ucraniano, uma acusação negada pelo Kremlin.

O chanceler russo, Sergei Lavrov, minimizou a possibilidade de a visita de Steinmeier ter algum impacto real na política russa sobre a Ucrânia.

“É uma visita de trabalho. Nós concordamos, é claro, em falar sobre a Ucrânia, sobre nossa relação bilateral (mas) ninguém está esperando qualquer avanço”, disse Lavrov em entrevista coletiva em Minsk, capital de Belarus.

Steinmeier vai se encontrar em Kiev com o presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, e o primeiro-ministro do país, Arseny Yatseniuk, antes de seguir para Moscou.

“Durante as últimas 24 horas, devido a bombardeios e explosões de minas, cinco soldados ucranianos foram mortos e outros oito sofreram ferimentos de gravidades variadas”, disse o porta-voz militar ucraniano Vladislav Seleznyov em publicação no Facebook.

Bombardeios de ambas as partes têm rompido o cessar-fogo acertado em 5 de setembro, causando preocupação de que a trégua possa ruir completamente.

Mais de 4.000 pessoas foram mortas no conflito desde o início da revolta separatista no leste da Ucrânia, em abril.

Reportagem de Pavel Polityuk, em Kiev, e Andrei Makhovsky, em Minsk

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below