December 1, 2014 / 10:34 PM / 4 years ago

Cúpula climática da ONU começa em Lima com esperança de acordo

LIMA (Reuters) - Representantes de cerca de 190 países se reuniram nesta segunda-feira em Lima, capital do Peru, em meio a esperanças de que um acordo da Organização das Nações Unidas (ONU) para desacelerar a mudança climática seja possível em 2015, apesar dos alertas de que está acabando o tempo para manter o aquecimento global dentro de limites seguros.

Vista aérea de uma fábrica em Callao, no Peru, no domingo. O país sul-americano sedia a cúpula climática anual da ONU. 30/11/2014 REUTERS/Mariana Bazo

A cooperação entre China e Estados Unidos, principais emissores de gases do efeito estufa, e a decisão da União Europeia de reduzir suas emissões deram novo ímpeto às conversas da ONU que há duas décadas não conseguiram chegar a um consenso para um acordo global.

“Recebemos alguns sinais muito positivos”, disse o ministro peruano do Meio Ambiente, Manuel Pulgar Vidal, a representantes na abertura da cúpula, de 1 a 12 de dezembro, em um complexo localizado em um quartel-general de Lima.

Os representantes devem decidir aspectos de um acordo para combater a mudança climática que deve ser firmado em uma cúpula em Paris daqui a um ano, uma parte do objetivo de limitar as temperaturas mundiais médias a 2 graus Celsius acima dos tempos pré-industriais.

As temperaturas já subiram 0,9 grau Celsius, e um conselho de cientistas da ONU afirma haver riscos de impactos irreversíveis que vão de danos aos recifes de coral ao derretimento do gelo da Groenlândia, o que elevaria o nível dos mares.

“A janela para agir está se fechando rapidamente”, afirmou o chefe do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês), Rajendra Pachauri, a representantes dos países.

Segundo o IPCC, há 95 por cento de probabilidade de que as emissões geradas pelo homem sejam a principal causa do aquecimento global.

As conversas renovam a esperança de um acordo, apesar da queda no preço do petróleo que complica uma transição para a energia renovável. No mês passado, os EUA concordaram em restringir suas emissões entre 26 e 28 por cento abaixo dos níveis de 2005, e a China aceitou colocar um teto em suas emissões crescentes até aproximadamente 2030.

A União Europeia também planeja cortar suas emissões para 40 por cento abaixo dos índices de 1990, o que significa que as nações responsáveis por mais de metade das emissões mundiais estabeleceram metas para si mesmas.

Mas as temperaturas caminham para subir mais que 2 graus Celsius.

“Atualmente, estamos rumando para um aquecimento de 3 e 4 graus Celsius”, afirmou o ministro das Relações Exteriores das Ilhas Marshal, Tony de Brum, dizendo que isso seria “desastroso” para o mundo.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below