July 9, 2015 / 9:40 PM / 3 years ago

Perto do fim de prazo, Kerry diz que EUA não se apressarão para fechar acordo com Irã

Por Louis Charbonneau e Parisa Hafezi

Secretário de Estado dos EUA, John Kerry, em Viena. 09/07/2015 REUTERS/Carlos Barria

VIENA (Reuters) - Os Estados Unidos e outras potências globais não estão com pressa para chegar a um acordo sobre o programa nuclear do Irã, disse o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, nesta quinta-feira, sugerindo que um acordo é improvável horas antes do fim de um prazo estabelecido pelo Congresso norte-americano para rever mais rapidamente os termos.

“Estamos aqui porque acreditamos que estamos fazendo um progresso real”, disse Kerry a repórteres em Viena. “Não vamos nos apressar e não seremos apressados.” Ele não disse por quanto tempo mais as conversas continuariam. Pouco após Kerry falar, a Casa Branca disse que as conversas provavelmente não se arrastariam por “muitas semanas mais”. 

Nas últimas duas semanas, Irã, Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, Alemanha, Rússia e China estenderam duas vezes o prazo final para completar um acordo de longo prazo sob o qual Teerã reduziria suas atividades nucleares por mais de uma década em troca de alívio em sanções internacionais.

O anúncio de Kerry ecoou comentários anteriores do ministro iraniano das Relações Exteriores, Java Zarif, que disse que o Irã e as grandes potências não seriam apressados. 

“Estamos trabalhando duro, mas não estamos apressados para completar o serviço”, disse ele no Twitter. Mais tarde, Zarif disse: “Vamos ficar aqui o tanto quanto necessário”.

O chanceler francês, Laurent Fabius, disse que as partes continuariam negociando durante a noite para tentar resolver as “difíceis questões” ainda existentes nas conversas nucleares. Ele acrescentou que as “coisas estão... indo na direção certa.”

Os negociadores deram a si próprios um prazo que vai até o fim da sexta-feira. Mas se um acordo não for alcançado até as 18h (horário de Viena), o Congresso norte-americano, liderado por republicanos, terá 60 dias —e não mais 30— para revisar os termos do acordo, um tempo extra que a administração do presidente Barack Obama teme poder atrapalhar o acordo.

Potências ocidentais acusam o Irã de buscar a capacidade de construir armas nucleares, enquanto Teerã diz que seu programa é pacífico. Um acordo pode depender de o Irã aceitar limitações em seu programa nuclear em troca de alívio das sanções econômicas impostas por ONU, EUA e União Europeia. 

Reportagem adicional de John Irish, Arshad Mohammed e Shadia Nasralla, em Viena; e Katya Golubkova e Denis Pinchuk, na Rússia

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below