August 11, 2015 / 5:13 PM / 3 years ago

Dilma diz que agenda de Renan coincide com propostas do governo

BRASÍLIA (Reuters) - A presidente Dilma Rousseff elogiou o conjunto de sugestões para enfrentar a crise econômica apresentado pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e afirmou nesta terça-feira que as medidas coincidem com as propostas do governo.

Presidente Dilma Rousseff durante cerimônia de anúncio de investimentos no setor elétrico em Brasília. 11/08/2015 REUTERS/Ueslei Marcelino

A presidente, que em jantar com senadores aliados na noite da segunda-feira fez um apelo para que aprovem medidas do ajuste fiscal e impeçam a votação de matérias com impacto nas contas públicas, disse nesta terça que a sugestão de 27 propostas de Renan sinaliza “a melhor relação possível” entre o Executivo e o Legislativo.

“Muitas das propostas do presidente Renan coincidem plenamente com as nossas, são propostas muito bem-vindas”, afirmou a presidente a jornalistas após anúncio do Programa de Investimento em Energia Elétrica.

“Nós olhamos essas 27 propostas com grande interesse e valorizamos muito a presença delas. Eu acho que essa sim é a agenda positiva para o país”, disse Dilma. “Mostra por parte do Senado uma disposição de contribuir para o Brasil sair das suas dificuldades o mais rápido possível.”

As sugestões de Renan dividem-se em três eixos temáticos – melhoria do ambiente de negócios, equilíbrio fiscal e proteção social – e foram anunciadas após reuniões do presidente com parlamentares e os ministros da Fazenda, Joaquim Levy, e do Planejamento, Nelson Barbosa.

O governo tenta reativar a sua governabilidade no Congresso, tendo o Senado como um ponto de equilíbrio para evitar a aprovação da chamada “pauta-bomba”. Segundo um senador da base, a ideia do governo é focar sua articulação no Senado, dando mais protagonismo à Casa, uma vez que a situação na Câmara tornou-se “inadministrável”, de acordo com esse parlamentar.

LÁSTIMA

Em outra frente, o governo continuou com sua tentativa de impor uma agenda positiva e lançou nesta terça um plano de investimento em energia, que segundo a presidente servirá de “alavanca” para o crescimento ajudará a ampliar “de forma decisiva” a solidez do sistema de energia elétrica do Brasil.

Dilma aproveitou para afirmar que apesar da “maior crise hídrica” enfrentada pelo país, o sistema continua tendo sustentação e não houve racionamento. Disse ainda “lastimar” que as contas de luz tenham tido um aumento.

“Entre faltar energia e ter energia, é melhor pagar um pouco mais por ter energia, porque o preço da falta de energia é imenso em emprego, em renda, em dificuldade da empresa não é nem de produzir, não, é de abrir.”

Para Dilma, o lançamento do programa para o setor elétrico sinaliza a disposição do país em continuar investindo em geração e transmissão de energia e dá previsibilidade aos investidores.

“As geradoras no Brasil estão produzindo o suficiente para abastecer o mercado, não há nenhuma quebra de produção, nenhum problema, nós não temos nenhuma crise por esse lado no setor elétrico de maneira alguma”, disse a presidente a jornalistas.

“Este país é a sétima economia do mundo, não há nenhum motivo para não virem investir aqui.”

Durante discurso na cerimônia de anúncio do plano, Dilma afirmou que a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) estuda uma redução de 15 a 20 por cento na bandeira tarifária vermelha cobrada na contas de eletricidade. [nL1N10M16U]

A presidente também disse ter certeza que a inflação irá convergir para a meta em 2016 e progressivamente em 2017.

Reportagem de Maria Carolina Marcello e Leonardo Goy

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below