August 14, 2015 / 9:39 PM / 3 years ago

Protestos e Lava Jato podem atrapalhar governo após semana de alívio

BRASÍLIA (Reuters) - A semana trouxe algum alívio para a presidente Dilma Rousseff com a aproximação do Senado e decisões favoráveis a ela no Tribunal de Contas da União (TCU) e no Judiciário, mas a situação segue delicada com os protestos contra o governo marcados para o domingo e a imprevisível operação Lava Jato.

Presidente Dilma Rousseff durante visita ao Google em Mountain View. 1/7/2015. REUTERS/Stephen Lam

Para parlamentares aliados, integrantes da equipe econômica e da oposição ouvidos pela Reuters, o acalmar da crise ainda é frágil, tanto na política quanto na economia.

Desde o recomeço dos trabalhos legislativos, no início do mês, o Planalto trabalhou numa frente de reaproximação com o Senado, dando-lhe um protagonismo para atuar como um contraponto à turbulenta Câmara dos Deputados.

Já no início desta semana, na segunda-feira, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), tomou a iniciativa de apresentar uma agenda de enfrentamento da crise, em três eixos temáticos: melhoria do ambiente de negócios, equilíbrio fiscal e proteção social. As propostas foram apresentadas por Renan após reuniões com parlamentares e os ministros Joaquim Levy (Fazenda) e Nelson Barbosa (Planejamento).

Se pouco antes do recesso parlamentar em julho Renan adotava uma postura de enfrentamento ao governo, o que incluiu a devolução de uma medida provisória e a proposição de pautas que não contavam com a simpatia do Executivo, agora o presidente do Senado encabeça um movimento de reversão da crise, com disposição de levar adiante matérias prioritárias para o Palácio do Planalto que aguardavam votação.

Os efeitos dos afagos do governo aos senadores, no entanto, podem ter um prazo de validade e azedar, a depender do comportamento da economia e do desenrolar da Lava Jato, que apura corrupção em empresas como a Petrobras com o suposto envolvimento de diversos políticos, incluindo Renan e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

“A coisa vai até ligarem o jato”, disse uma liderança da base no Senado. “É um fio desencapado”, avaliou.

Para a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), a trégua precisa durar “o suficiente para acabar com o clima ruim”.

“Essa pauta (do Renan) é uma oportunidade de o Parlamento mostrar o protagonismo”, disse a senadora, embora reconhecendo que o desenrolar da Lava Jato é “imponderável”.

Já a oposição vê no plano de Renan um mero “fato político”.

Para o senador Aloysio Nunes (PSDB-SP), isso dará um fôlego de curto prazo ao governo, uma vez que as propostas não terão a força necessária para reverter a piora nas taxas de desemprego e a inflação.

“É uma coisa costurada, mal-ajambrada, costurada às pressas para produzir um fato político, que é ‘olha, no Senado existe alguma coisa que se assemelha a uma base de sustentação da presidente Dilma, já que a base de sustentação dela na Câmara desapareceu’”, disse o tucano.

A estratégia de aproximação com Renan é válida, uma vez que a presidente aparentava estar sem saída, mas tem seus riscos. Isso porque o Executivo terá de driblar o presidente da Câmara, que rompeu com o governo em julho e declarou-se da oposição após ver seu nome envolvido na Lava Jato por um delator, embora tenha destacado que manterá postura “institucional”.

Segundo o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, as lideranças da Câmara e do Senado estão “conscientes” desse desafio. “Se não melhorar a política, não melhora a economia.”

Além da aproximação do presidente do Senado, a semana reservou outras boas notícias ao governo.

Na quarta-feira, o TCU, que analisa as contas de 2014 de Dilma, deu mais 15 dias para a Presidência da República prestar esclarecimentos. A análise das contas pelo tribunal é acompanhada de perto pela oposição, que pode usar uma eventual reprovação como argumento para um pedido de impeachment.

Na quinta-feira, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, decidiu que as contas do governo devem ser analisadas em sessão conjunta do Congresso Nacional, e não em cada Casa separadamente. Assim, perde força a articulação do presidente da Câmara para apreciar as contas de Dilma referentes ao ano passado.

TESTE DE POPULARIDADE

Fora do ambiente parlamentar, Dilma buscou nesta semana se aproximar de movimentos sociais historicamente ligados ao PT, tendo participado de um evento no Planalto com lideranças desses movimentos que discursaram com palavras de ordem contra um eventual impeachment.

No domingo, no entanto, a palavra de ordem deverá ser pela saída da presidente, em novo teste à popularidade de Dilma. Manifestações convocadas principalmente pelas redes sociais prometem reunir centenas de milhares de brasileiros em muitas cidades do Brasil e do exterior em meio à desaprovação recorde de Dilma em pesquisas de opinião.

Diante disso, a presidente decidiu permanecer em Brasília no fim de semana acompanhada por ministros do núcleo da coordenação política para monitorar as manifestações e poderá designar um de seus auxiliares diretos para fazer uma avaliação oficial dos protestos, segundo fontes do governo.

Reportagem adicional de Eduardo Simões e Luciana Otoni

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below