15 de Setembro de 2015 / às 21:35 / em 2 anos

Líderes governistas repudiam "golpismo" em manifesto e chamam forças "responsáveis" a superar crise

BRASÍLIA (Reuters) - Líderes e presidentes de partidos da base aliada da presidente Dilma Rousseff no Congresso divulgaram nesta terça-feira um documento em defesa do mandato presidencial, em que repudiam o chamado “golpismo” e fazem um apelo a todas as forças sociais e políticas comprometidas com o país a contribuírem para superar a atual crise político-econômica.

O documento foi entregue por deputados à presidente antes do início de reunião no Palácio do Planalto, convocada por Dilma para debater com a base aliada na Câmara a tramitação no Congresso das medidas do novo pacote de ajuste fiscal apresentado pelo governo com o objetivo de atingir superávit primário em 2016.

No início da tarde, em uma segunda reunião, dessa vez com os líderes no Senado, senadores também assinaram o mesmo documento e entregaram novamente à presidente.

O texto condena como “golpismo” os processos de contestação ao mandato da presidente, que é alvo de pedidos de abertura de impeachment no Congresso em meio a um cenário de crise política e recessão econômica.

“O principal entrave ao reequilíbrio das contas públicas e à consequente retomada do crescimento econômico com distribuição de renda, como é o desejo de todos os brasileiros, reside no atual clima político deteriorado, gerado pelo golpismo que tenta se impor sobre a governabilidade e que dissemina sentimentos de insegurança, pessimismo e intolerância política por toda a sociedade”, diz o documento, assinado pelos presidentes dos partidos PT, PMDB, PSD e PCdoB.

De acordo com os líderes da base, “é chegada a hora de todas as forças sociais e políticas efetivamente comprometidas com o Brasil e sua democracia” reafirmarem a contribuição para que o país supere as atuais dificuldades e retome o desenvolvimento econômico e social.

O documento afirma ainda que o Brasil “demanda a superação do atual clima político deteriorado, o qual coloca sérios obstáculos à governabilidade e à recuperação econômica”.

A carta aberta de apoio à presidente foi divulgada um dia após o governo apresentar um pacote de medidas fiscais com o objetivo de garantir um superávit primário em 2016 e resgatar a credibilidade da política fiscal, depois de o Brasil ter pedido o selo de bom pagador pela agência de classificação de risco Standard & Poor‘s.

“Todos os líderes assinaram. Mas muitas vezes a bancada não tem muita sintonia com os líderes”, disse o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PT-PE), ao sair do encontro da presidente com senadores.

Um dos pontos-chave do pacote é a volta temporária da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), que deverá ter tramitação difícil no Congresso Nacional.

Por Maria Carolina Marcello; e Lisandra Paraguassu

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below