September 22, 2015 / 12:51 PM / 3 years ago

Viagem do papa a Cuba aproxima país dos EUA e dá continuidade a abertura

SANTIAGO DE CUBA (Reuters) - O papa Francisco conclui uma visita a Cuba nesta terça-feira e se encaminha para os Estados Unidos, fazendo assim uma ligação entre os dois adversários de longa data que iniciaram uma abertura nas relações bilaterais com mediação do pontífice.

Papa Francisco no papamóvel em rua de El Cobre, em Cuba. 21/09/2015 REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

O papa argentino, de 78 anos, vai celebrar uma missa no santuário de Nossa Senhora da Caridade do Cobre, o mais sagrado do país e também venerado por não católicos e praticantes de religiões afro-cubanas com diferentes graus de aproximação com o catolicismo.

No santuário, no povoado de El Cobre, Francisco rezou na segunda-feira pela reconciliação entre todos os cubanos, tanto os que vivem no país como os espalhados pelo mundo.

Estima-se que 2 milhões de cubanos tenham deixado a ilha desde a Revolução Cubana, em 1959, e cerca de 1,3 milhão vivam atualmente no exterior, a maioria nos Estados Unidos, onde muitos exilados continuam mantendo uma relação ressentida com a terra natal.

Há grande expectativa quanto ao que Francisco dirá nos Estados Unidos, onde se reunirá com o presidente Barack Obama e fará o primeiro pronunciamento de um papa perante o Congresso, além de falar também na Organização das Nações Unidas (ONU).

O papa evitou fazer em Cuba declarações políticas ostensivas, que os dissidentes esperavam que ele fizesse, mas usou suas homilias para enviar mensagens ligadas à espiritualidade e sobre a necessidade de mudanças no país comunista, de partido único.

O pontífice pediu aos cubanos que pensem com maior abertura e sejam tolerantes às ideias de outras pessoas. Em uma missa na segunda-feira para dezenas de milhares de pessoas na cidade de Holguín, no leste da ilha, ele exortou seus ouvintes “a não se satisfazerem com a aparência ou com o que for politicamente correto”.

A abordagem mais suave, um contraste com a adotada por seus dois antecessores imediatos quando visitaram Cuba, parece impulsionada por um desejo de incentivar calmamente os cubanos em um momento delicado após a retomada das relações diplomáticas com os Estados Unidos. Enquanto isso, a Igreja cubana está discretamente negociando mais espaço para a sua missão religiosa.

“Ele falou com clareza, discrição e moderação”, disse o porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, aos jornalistas, quando perguntado por que o papa não tinha tratado diretamente de questões como o histórico de Cuba em direitos humanos e o embargo comercial dos EUA, ao qual o Vaticano se opõe.

“O papa quer fazer uma contribuição, mas a responsabilidade recai sobre os líderes das nações. Ele não quer exagerar o seu papel, só quer contribuir, fazendo sugestões, promovendo o diálogo, a justiça e o bem comum das pessoas”, disse o porta-voz.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below