19 de Outubro de 2015 / às 18:43 / 2 anos atrás

Justiça decreta nova prisão e aceita mais uma denúncia contra Marcelo Odebrecht

SÃO PAULO (Reuters) - O juiz federal Sérgio Moro aceitou nesta segunda-feira mais uma denúncia contra o presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, e executivos ligados à construtora por suposto pagamento de propina para obtenção de contratos de obras da Petrobras no âmbito das irregularidades investigadas pela operação Lava Jato e decretou nova prisão preventiva do empresário.

Marcelo Odebrecht, durante depoimento à CPI em Curitiba. 1/9/2015 REUTERS/Rodolfo Buhrer

Com a decisão de Moro, Marcelo Odebrecht e outros três executivos ligados à empreiteira passam a ser réus em ação penal acusados de pagar propina para funcionários da Petrobras em obras da estatal como a terraplanagem das obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) e da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, entre outras.

Também por consequência da decisão do magistrado, Marcelo Odebrecht e outros dois executivos ligados à companhia tiveram nova prisão preventiva decretada. Moro entendeu que os executivos podem destruir provas ou se refugiar no exterior, colocando em risco, assim, a aplicação da lei penal.

De acordo com a denúncia do Ministério Público Federal, as propinas teriam sido pagas para funcionários da estatal nas diretorias de Abastecimento e Serviço da companhia.

Ainda segundo o MP, os beneficiários da propina que teria sido paga pela Odebrecht foram os ex-diretores de Abastecimento Paulo Roberto Costa, de Serviços Renato Duque, e o ex-gerente da Petrobras Pedro Barusco.

Barusco e Duque também tiveram a denúncia feita contra eles pelo MPF aceita e se tornarão réus na mesma ação penal.

Em nota, a Odebrecht disse que a defesa dos executivos se manifestará sobre o caso na Justiça. A empresa, entretanto, declarou estranhar a nova prisão preventiva após o Supremo Tribunal Federal conceder habeas corpus a outro executivo ligado à empresa, Alexandrino Alencar.

“As defesas do executivo e dos ex-executivos da Odebrecht se pronunciarão na Justiça. Chama a atenção, no entanto, que essa nova denúncia do MPF tenha sido oferecida e aceita pela Justiça Federal horas após o Supremo Tribunal Federal conceder habeas corpus a um dos ex-executivos da empresa – e sem que tenham sido apresentados fatos novos em relação à denúncia anterior”, afirma a nota da empresa.

”Sobre a decretação de novas prisões preventivas, causa estranheza que a decisão, sem trazer novos elementos, insista em pontos já decididos pela corte suprema do país.”

Marcelo Odebrecht, que está preso desde junho acusado de envolvimento no bilionário esquema de corrupção investigado pela Lava Jato, já é réu em outra ação penal vinculada às investigações de irregularidades na Petrobras.

Reportagem de Eduardo Simões

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below