20 de Outubro de 2015 / às 13:05 / 2 anos atrás

Ativistas pró-direitos humanos protestam na chegada de presidente chinês à Grã-Bretanha

LONDRES (Reuters) - Manifestantes pró-direitos humanos disputavam espaço com defensores do governo da China e turistas para ver o presidente chinês, Xi Jinping, num trajeto de carruagem até o Palácio de Buckingham, nesta terça-feira, o primeiro dia de uma visita de Estado à Grã-Bretanha com o objetivo de consolidar os laços financeiros bilaterais.

Policiais e manifestantes durante chegada do presidente da China, Xi Jinping, à Grã-Bretanha. 20/10/2015 REUTERS/Neil Hall

Aclamada como o início de uma “era de ouro” ou “período de ouro” nas relações sino-britânica, a visita irá selar uma série de negócios, mas tem sido criticada por ativistas de direitos humanos, que acusam o primeiro-ministro David Cameron de fechar os olhos para os abusos cometidos na China.

Também causa incômodo entre alguns dos aliados tradicionais da Grã-Bretanha, como os Estados Unidos, onde a visita de Xi no mês passado foi marcada por desentendimentos sobre furto de informações pela Internet e as ações da China em disputas marítimas asiáticas.

Para a Grã-Bretanha, a visita de quatro dias é o ponto culminante de uma ofensiva diplomática de três anos para mostrar o país “andando alto no palco do mundo”, nas palavras de um ministro do governo britânico. Cameron também espera atrair investimentos em infraestrutura, energia nuclear e para a transformação do norte da Inglaterra, que está nos seus planos.

Milhares de apoiadores da China portavam dragões chineses vermelhos e amarelos e enormes retratos de Xi enquanto eles posavam para fotos na alameda na frente do Palácio de Buckingham, onde Xi e sua mulher, Peng Liyuan, vão ficar como convidados da rainha Elizabeth.

Mas centenas de pessoas que protestavam contra as violações dos direitos humanos na China atrapalharam a cerimônia. Elas seguravam cartazes dizendo: ”Abaixo o Partido Comunista“ e ”Fim da repressão à liberdade de expressão”.

“Isso mostra que a Inglaterra não está dando a mínima para os direitos humanos”, disse Aisha Nahmmacher, 24, do sul de Londres, uma das manifestantes na alameda diante do palácio.

Cameron e seu governo têm se esforçado para manter os direitos humanos nos bastidores da visita e mudar de tom, depois de ter enfurecido o governo chinês em 2012 ao cumprimentar o Dalai Lama, o líder espiritual exilado do Tibete.

O líder do oposicionista partido trabalhista, Jeremy Corbyn, disse que vai tocar na questão dos direitos humanos quando se encontrar com Xi nesta terça-feira. Na segunda-feira, a pressão de Corbyn levou Cameron a dizer que abordaria o impacto das importações chinesas baratas sobre os fabricantes britânicos de aço.

((Tradução Redação Rio de Janeiro; 55 21 2223-7128))

REUTERS PF

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below